Categories
Política

Como disse que disse?! (act.)

Argumentos recentes e alguns datados encontrados por um pedaço da blogoesfera que quase me deixam sem palavras.

Com base num “suponhamos” diz-se que Sócrates não quer eleições agora porque:
– É Inverno não dá jeito para campanhas eleitorias;
РAinda ṇo tem a alternativa pronta Рṇo coincide com o timming das Novas Fronteiras;
– O Governo ainda não está suficientemente desacreditado;
– Santana Lopes é imbatível se lhe derem oportunidade para se vitimizar;
– As eleições são caras e o país não tem dinheiro;
– Não é seguro que “já seja suficiente” para ganhar com maioria absoluta.

E por aí fora.

Eu não me tenho por um absoluto ingénuo e consigo perceber que por vezes o caminho mais curto não é ir sempre a direito mas, convenhamos que há um sentido de proporcionalidade e de perspectiva que deve regular o primado da astúcia e do cálculo.
Nada disto era imprevisível, ou melhor, tudo isto era esperado há largos meses e há um custo inerente à manutenção do actual governo que por ser impossível contabilizar alguns amigos tendem a ignorar ou a sub-valorizar.

Parece que se espera um óptimo virtual. Um momento óptimo absoluto, a altura certa de “vender as acçõesâ€?.

Ora a vida e a vidinha não se fazem e não podem depender da descoberta de óptimos virtuais e as evidências recentes destes últimos quatro meses – ou serão quatro anos como quase perguntava há dias o JHP no Glória Fácil notando o lento passar das semanas após a chegada de PSL – são um bom pretexto para que se distingam as águas. Haverá quem mereça dizer: “a bem da naçãoâ€? e aja consequentemente?

Há uma urgência que ninguém deveria negligenciar neste contexto, divertindo-se com a folha de cálculo. E o contexto é o de um tão único desgoverno. Este cálculo é apenas mais um sinal de quão pouco podemos esperar do senhor que se segue.

Texto dedicado ao Causa Nossa e ao Bloguítica.

One reply on “Como disse que disse?! (act.)”

Estou inteiramente de acordo com a totalidade deste texto. Fico feliz, porque é mesmo bom que as pessoas “pensem pela sua cabeça” e não se deixem “corromper” por sofismas de gente desonesta, que têm uma mentalidade velha de séculos, que já devia ter passado à história! Também “vou por este caminho” e não pelo outro, que é mais fácil. Impõe-se dizê-lo, ainda mais agora que o governo já caiu, para que se não perca o norte, nem os objectivos, que estão longe de estarem atingidos!

Comments are closed.