Tão pequeninos e já a levar porrada

A aparecimento do Movimento Esperança Portugal está a provocar reacções curiosas e interessantes em alguns blogues. Da crítica destrutiva à repetição da pergunta que mais parece de retórica: como se faz política ao centro do centro?
Esta é uma pergunta que me deixa alguma perplexidade em relação a alguns dos opinadores centristas que a criticam: o que está errado é estar ao centro ou será a forma de viver e exercer a política e os compromissos assumidos? Ou será que essa forma revoltante que vai singrando é uma inevitabilidade do tal centro em que tantos se revêem? Eu não acredito nessa fatalidade por isso ofereço-me a oportunidade se não cuspir em todas as direcções, particularmente evitando acertar à nascença em quem merece ainda o benefício da dúvida.
As premissas com que percebo as análises feitas parecem-me todas muito coladas à mesma bitola num algo surpreendente unanimismo profundamente negativo. Perante as primeiras impressões, mantenho a pergunta de sã curiosidade sobre este MEP ou sobre aquele MLS, haverá golpe de asa para vencer o furacão?
Em suma, sem surpresa, tão pequeninos e já a levar imensa porrada.

Eis as reacções que apanhei nas ondas:

De um militante da “ala esquerda” do PS, o meu amigo Luís Tito Novaes:

Esperança?

Quando todos se queixam de ser pouco perceptível a fronteira que separa o PS do PSD, eis que aparece alguém para fazer um Partido entre eles.

Interessante inutilidade, MEP!”


José Medeiros Ferreira
, estimado vizinho, militante do PS:

O primeiro dos novos partidos
A situação política do país está tão tensa,e sem qualquer alternativa à vista, que a tentação de criar novos movimentos é grande, mesmo que não haja dinamismo social que os sustente.Rui Marques que descobriu o caminho marítimo para Timor lançou o movimento Esperança Portugal,algumas semanas depois de se ter demitido de Alto Comissário para as Migrações.Não creio que possa ir longe mas anuncia o desejo de muitos.”

Miguel Silva, ex-assassino luso-espanhol:

Entre o PS e o PSD

Entre o PS e o PSD, como tem sido muito notório, o que existe menos é espaço para o que quer que seja, de tal forma as extremidades de cada um se tocam. Um novo partido pode e deve reclamar qualquer espaço político, apesar dos analistas que equacionam o espectro partidário como se se tratasse de feirantes a competir por balcões no mercado da vila. O problema do Movimento Esperança Portugal, para além do nome escolhido, é que é impossível implantar-se nessa zona sem fazer uma crítica feroz ao que tem sido o centrão socialista/social-democrata. De alguma forma, não me parece que seja essa a estratégia pela qual os seus futuros dirigentes vão optar.”

João Villalobos, cortando a eito:

Post à João Gonçalves

Lido no Público online: «O ‘Movimento Esperança Portugal’ [MEP] é um movimento humanista que quer estar ao centro do centro político, entre o PS e o PSD, para que a partir daí seja possível construir pontes e sublinhar mais aquilo que nos une do que aquilo que nos separa”, adiantou Rui Marques, em declarações à Lusa». De Rui Marques, recordo que tinha algo a ver com um navio que partiu para Timor e uma revista chamada Fórum Estudante. Não sei mais.

Mas sei que aquilo que nos prende, a uma mediocridade que dura quase desde que me recordo, é precisamente «o centro do centro». E que a precisarmos de alguma coisa é de algo, chame-se «movimento» ou Maria Joaquina, que nos separe. Que motive, de uma vez por todas, aqueles que não partilham do bloco central de interesses, o qual não só já construiu «pontes» que cheguem como ainda esportolou as respectivas portagens.

Nos últimos dias, parece que só encontro pessoas que querem criar partidos e outras pessoas que conhecem pessoas que querem criar partidos. Ou movimentos. Entretanto, dentro dos partidos que já existem criam-se alas e grupelhos e tendências. A todos, o raio que os parta. Respeitosamente. “

João Távora:

A quimera
Ainda a respeito da inaudita iniciativa de Rui Marques, o MEP: é extraordinária a atracção que o centro, qual abismo, exerce na politica. É como o mito do pote de ouro escondido na extremidade do arco-íris. Por diminuto que seja o espaço de demarcação, haverá sempre mais um ponto que estabeleça o centro entre dois elementos… Só que às tantas, o problema deixa de ser de mera geometria, e torna-se ambiental: a sua atmosfera, degradada pelos interesses instalados, está poluída e o ar rarefeito. A vida e a esperança aí já não medram.”


Paulo Gorjão
, Politólogo,

Marques 2009: o nosso Obama é branco

Rui Marques explicou que o Movimento Esperança Portugal é um projecto que «quer transmitir esperança [Hope] (…) uma proposta concreta para que Portugal possa dar uma resposta [Action] a esta crise. O tempo tem que ser de esperança, esperança que torna real a capacidade de transformar [Change] a realidade (…)».
.
Mais politicamente correcto não poderia ser. Posicionando-se ao centro do centro político. Tendo como objectivo construir pontes. Pretendendo sublinhar mais aquilo que une do que separa. No meio disto só não percebo como é que se faz política, pura e dura. Como é que se tomam decisões? Como é que se fazem opções, no meio de tanta ponte e de tanta união?
De facto, começamos bem. “


Senhor Dom João Miranda
:

Entaladinho

Novo partido político em Portugal O Movimento Esperança Portugal descreve-se como abrangendo um espaço da social-democracia entre o PS e PSD

Via Insurgente

PS – Tenho uma ideia para um novo partido político. Um partido que se posicione exactamente ao centro do Movimento Esperança Portugal.”

Migas Insurgente:

Era mesmo o que a malta precisava agora

Movimento Esperança Portugal: Novo partido nasce em Portugal

«O Movimento Esperança Portugal descreve-se como abrangendo um espaço da social-democracia entre o PS e PSD»

O que malta precisava mesmo era mais um partido social-democrata. Faz lembrar os anúncios de detergente de roupa. O que será que este partido “social-democrata” tem para ser melhor que os outros? Powerball? Ingrediente X? Glutões? E será recomendado por 73 marcas de máquina? Fixe.”

João Luís Pinto:

“Espargata cruzada

O Movimento Esperança Portugal descreve-se como abrangendo um espaço da social-democracia entre o PS e PSD

Complementando o que disse o Migas aqui abaixo, será portanto (presume-se) uma coisa à direita do Sócrates e à esquerda do Meneses.

Consta também que entre cada 50 assinaturas para a formalização do partido vão sortear um cartão jovem e um prato de couscous.”

Ricardo Pinheiro Alves:

Mais um partido para o “centrão”
Rui Marques, ex-alto comissário para a imigração anunciou a criação de um novo partido que se vai colocar ideologicamente entre PS e PSD. Dado que estes partidos se caracterizam especialmente pelo oportunismo “ideologico” que lhes permite ganhar eleições não é dificil adivinhar que estamos perante mais uma “aberração” criada ao “centro”. Os seus promotores podem achar que possuem qualquer tipo de superioridade moral baseada numa suposta perspectiva humanista que acharão ser exclusiva das suas pessoas. Mas cedo ou tarde, quando se defrontarem com a realidade dos votos, perceberão que não trazem nada de novo á sociedade portuguesa. È apenas mais do mesmo.”

Daniel Oliveira:

A contradição nos termos

Rui Marques (ex-alto-comissário para a Imigração e Diálogo Intercultural) quer criar um partido, no “centro do centro” (já lá está um engarrafamento), para «sublinhar mais aquilo que nos une do que aquilo que nos separa». Alguém explique a esta boa alma que em democracia os partidos políticos servem para sublinhar aquilo que nos separa. Por isso é que são vários. Já tivemos a União Nacional, com o mesmo projecto do nosso altíssimo comissário. Não correu muito bem.

Fernando Martins, Pela positiva:

MOVIMENTO ESPERANÇA PORTUGAL

SEGUNDO apurou a SIC, vai surgir um novo partido político em Portugal. Rui Marques, antigo alto-comissário para a Imigração e Minorias éticas, é um dos dinamizadores.
O novo partido vai chamar-se Movimento Esperança Portugal. Para já, o núcleo fundador é composto por cerca de meia centena de personalidades independentes, entre as quais Rui Marques, que foi o dinamizador da viagem do “Lusitânia Expresso” a Timor-Leste durante a ocupação Indonésia.
O Movimento Esperança Portugal apresenta-se como abrangendo um espaço entre o PS e PSD.
Com o descontentamento que há, pelo que vejo, em relação aos partidos que se impuseram com a nossa democracia, pós-25 de Abril, posso admitir que esta nova força política venha a ter algum sucesso. Sobretudo se o povo português, em especial o desiludido, ainda tiver coragem para se virar para ideias novas, assentes na eventual coerência de vida dos dirigentes do Movimento Esperança Portugal. “

Manuel Rodrigues:

Movimento Esperança Portugal

Depois do MMS – Movimento Mérito e Sociedade, mais um novo Partido.
O novo partido vai chamar-se Movimento Esperança Portugal. Para já, o núcleo fundador é composto por perto de meia centena de personalidades independentes, entre as quais Rui Marques, que recorde-se foi o dinamizador da viagem do Lusitânia Expresso a Timor-Lerste durante a ocupação Indonésia.

O Movimento Esperança Portugal descreve-se como abrangendo um espaço da social-democracia entre o PS e PSD – e, neste momento, ainda não há mais pormenores.

Rui Marques foi nomeado alto-comissário para a Imigração e Minorias pelo Governo de Durão Barroso.

O novo partido, que vai começar a fase da recolha das 7.500 assinaturas, pretende participar já nas próximas eleições legislativas.”

Luís Lavoura:

Sebastianismo ou salazarismo

Vai nascer em Portugal um novo partido político chamado Movimento Esperança Portugal (MEP).

O dito partido pretende situar-se no centro do espetro político, ter ideologia social-democrata, construir pontes entre o PSD e o PS e, tal como o seu nome indica, dar esperança ao país.

Tudo isto cheira a sebastianismo ou talvez, pior, a salazarismo. O novo partido parece – apesar de se afirmar social-democrata – ter pouca consistência ideológica. De facto, partidos social-democratas já este país tem dois, e bem grandes, pelo que dificilmente precisará de mais um. Então, qual a necessidade deste novo partido? Dar “esperança” a Portugal? Isso parece um objetivo sebastianista, como se de repente um novo partido, qual Cristo Redentor, nos pudesse salvar.

É bom lembrar que Salazar foi descrito, aquando da sua subida ao poder, como um “homem providencial”, também ele um salvador da Pátria, à qual viria dar um novo alento e esperança.

Dom Sebatião não se cansa de sair do nevoeiro para nos salvar a todos. Não tem ideologia nem ideias claras, mas salva-nos porque é o nosso Rei.

Nota: o novo partido, que tem “Portugal” no nome, pretende entrar na liça política começando por concorrer às eleições europeias, em Junho de 2009. Será certamente muito interessante, ter no Parlamento Europeu um partido cujo objetivo último é Portugal. O que é que um partido que pretende dar esperança a Portugal terá a oferecer à Europa? Esperança, também?”

Bruno:

M de muleta

É muito cedo para condenar ao fracasso o embrionário Movimento Esperança Portugal, de Rui Marques, que nos próximos meses pretende reunir as 7500 assinaturas necessárias para se transformar num partido político. É cedo porque ainda não lhe conhecemos as ideias nem as pessoas. Nem a postura.

Mas, convenhamos, os primeiros sinais não são muito prometedores. O MEP pretende situar-se ao extremo-centro e, diz Rui Marques, “fazer pontes”. Talvez queiram ser a muleta para coligações com PS ou PSD; o MEP seria assim um parceiro adaptável à esquerda e à direita, com posições elásticas na hora de negociar com um ou com outro. Pragmatismo sem grandes pruridos de origem programática – deve ser o ar do tempo…

À primeira vista, dir-se-ia haver espaço para um partido assim, uma vez que existe um imenso eleitorado flutuante em Portugal (aliás, onde é que não existe?). Tal seria o mercado-alvo para o MEP, juntamente com os descontentes (essa categoria supernova que Alegre, aparentemente, julga encabeçar). Mas não será certamente sem programa – o que se chama um programa político – que se disputa aquela massa gigantesca e particularmente exigente de eleitores.”

Joana Lopes:

MEP

Rui Marques, principal fundador deste novo partido, diz agora, na SIC N, que o mesmo pretende situar-se entre o PS e o PSD.

ENTRE? Nem se for uma tangente! Eles já se intersectam.”

JRV no Activismo de Sofá:

Sobre o misterioso MEP – Movimento Esperança Portugal

Rui Marques, antigo Alto-Comissário para a Imigração e Minorias Étnicas anunciou a intenção de formar um novo partido, situado estrategicamente ao centro, entre o PS e o PSD. E pouco mais adiantou…

O timing parece bom. Com um Executivo socialista a acusar algum desgaste e com a dificuldade do PSD em conseguir sequer parecer uma alternativa, as lufadas de ar fresco poderão ser bem recebidas pelo eleitorado. Mas muitos mistérios permanecem, pelo menos para já. Quanto aos protagonistas, Rui Marques parece ser o único rosto visível.

No que à linha política diz respeito, esta apresenta-se ainda bastante nebulosa Em declarações à SIC, Rui Marques afirma que o partido pretende situar-se ao centro, procurando unir os portugueses em torno de questões essenciais, em vez de os dividir (referindo-se ao PS e PSD).

No entanto, alguns estudos recentes (ver André Freire, 2007, Esquerda e Direita na Política Europeia, ICS) têm comprovado que uma das características do sistema partidário português é precisamente o forte pendor centrista dos dois principais partidos políticos. Pouco os distingue em termos de projecto político e a estruturação política do eleitorado em seu torno demonstra isso mesmo. Neste contexto, o argumento cimeiro do futuro novo partido não faz muito sentido. Mas a ver vamos…

PS: Já agora, é estranho que um movimento que pretende ser um partido não possua, desde já, um website.”

Compadre Alentejano:

Novo partido político: MEP

Objectivo é concorrer já às eleições europeias do próximo ano
Rui Marques anuncia intenção de criar novo partido entre PS e PSD

O antigo alto-comissário para a Imigração Rui Marques anunciou hoje que pretende criar um novo partido, denominado “Movimento Esperança Portugal”, situado ideologicamente ao centro e que deverá concorrer às europeias de 2009.

“O ‘Movimento Esperança Portugal’ [MEP] é um movimento humanista que quer estar ao centro do centro político, entre o PS e o PSD, para que a partir daí seja possível construir pontes e sublinhar mais aquilo que nos une do que aquilo que nos separa”, adiantou Rui Marques, em declarações à Lusa.

O responsável explicou que o MEP é um projecto “de gente comum” que decidiu dar um passo em frente e que “quer transmitir esperança, no sentido de que a política é uma responsabilidade de todos nós e não só de alguns”.

“O movimento surge como uma proposta concreta para que Portugal possa dar uma resposta a esta crise. O tempo tem que ser de esperança, esperança que torna real a capacidade de transformar a realidade e que nos motiva a fazer melhor, porque melhor é possível”, afirmou.

O antigo alto-comissário para a Imigração e Diálogo Intercultural não quis revelar o nome de mais nenhum promotor do novo partido, mas prevê que as 7500 assinaturas necessárias para a sua constituição estejam concluídas até ao Verão.

“Existe um manifesto que funciona como uma carta constitucional com os princípios essenciais deste projecto e contamos até o Verão ter reunidas essas assinaturas para poder, junto do Tribunal Constitucional, apresentar essa proposta e ver reconhecido a existência deste novo movimento político”, explicou Rui Marques.

O responsável salientou que o calendário eleitoral para 2009 “ainda não é claro” mas que “tudo aponta para que as primeiras eleições sejam as europeias em Junho de próximo ano”. “Essa será a nossa primeira fronteira, o primeiro momento que iremos a votos”, explicou.(Público)

Nota do Papa Açordas: Não tenho grande esperança neste “Movimento Esperança Portugal”, mas tudo o que seja para evitar maioria absoluta do partido de Sócrates, é bem vindo. Oxalá que apanhe alguns descontentes do PS…”

Paulo Pinto Mascarenhas:

Lusitânia MEP

Desconfio que tal como aconteceu com o Lusitânia Express, também o novo partido de Rui Marques – o Movimento Esperança Portugal – nunca chegará a bom porto.”

António Luís Vicente:

Movimento Esperança Portugal
Publicado em Portugal by António Luís Vicente em Março 4th, 2008

O nome do novo partido – Movimento Esperança Portugal – não é completamente mau. Só não gosto de três das palavras escolhidas.

“Movimento” cheira a manada, a irracionalidade, a protesto – é negativo; ”Esperança” é lamechas e paternalista – é demasiado positivo; usar “Portugal” é entrar em algum facilitismo, pois é demasiado óbvio. ”Movimento” e “Esperança” combinados dão um ar algo messiânico à coisa.

Por outro lado, foi pena terem fugido da palavra “partido”, certamente para cavalgar a onda anti-sistema e anti-partidos que por aí anda (penso que o Bloco de Esquerda foi o primeiro a fugir do termo em tempos recentes). Por outro lado o nome é demasiado parecido com o “Movimento de Intervenção e Cidadania” de Manuel Alegre.

Acresce que a sigla – MEP – tem pouca força foneticamente.

Dito isto, não é completamente mau.”

Spot da Migu:

Movimento Esperança Portugal

“Movimento Esperança Portugal” poderia ser o nome de uma telenovela, o nome de um livro sobre maternidade, uma associação caridosa ou um livro para crianças.

Mas não é nada disto. É sim o nome do futuro novo partido que Rui Marques, Alto-Comissário para a Imigração e Minorias durante o governo de Durão Barroso, está a tentar constituir com mais umas quantas pessoas.O novo futuro partido pretende começar a fase da recolha das 7.500 assinaturas e prevê ter tudo concluído até ao Verão para participar já nas próximas eleições legislativas de 2009. Como se percebe, começam já em grande! É como tudo em Portugal, grandes projectos mas depois concretizá-los é há outra conversa…

Segundo o seu criador o MEP “não nasce com uma atitude anti-sistema, para dizer que os políticos são corruptos e que está tudo errado. A nossa atitude é oferecer aos portugueses uma possibilidade para que, através de uma política de esperança, possam encontrar uma razão para se empenharem na construção de um futuro melhor.

São profundas estas declarações. Nota-se uma certa nostalgia por parte de Rui Marques, pensando no seu belo Portugal entregue aos bichos. Mas agora pergunto, é este senhor que vai mudar o futuro de Portugal? É a sua equipa que vai salvar Portugal deste estado de sítio?

Mas há mais…”O Movimento surge como uma proposta concreta para que Portugal possa dar uma resposta a esta crise. O tempo tem que ser de esperança, esperança que torna real a capacidade de transformar a realidade e que nos motiva a fazer melhor, porque melhor é possível”

Melhor é possível. Magnificas palavras. É obvio que melhor é possível senão eu nem me dava ao trabalho de acordar todos os dias de manhã para ir trabalhar, eu e todo o cidadão nacional. Que melhor é possível já todos sabemos agora como alcançar esse melhor é que eu gostava que alguém me dissesse e tendo já 25 anos de existência ainda não houve uma pessoa que me dissesse concretamente como alcançá-lo.

Mas continuando no MEP, os temas em torno da “justiça e coesão social, o combate à pobreza, a redução da exclusão social, a construção de igualdade de oportunidades para todos e o combate contra todas as formas de discriminação, reconhecer o importante papel da família na sociedade, a importância de construir pontes e a capacidade de avançarmos através do diálogo e consenso, acabando com a visão de uns contra os outros, a afirmação do desenvolvimento humano sustentável, da democracia mais próxima dos cidadãos, a solidariedade intergeracional e, finalmente, a visão de um mundo interdependente e solidário”, serão as prioridades deste futuro novo partido.

Calma lá, de repente pensei que estava a ouvir o Obama a fazer campanha política nos EUA. Lá porque uma grande maioria da população portuguesa se está literalmente a borrifar para o que se passa no outro lado do oceano, não quer dizer que não haja uma pequena minoria atenta às notícias internacionais. Eu fico doente quando certos indivíduos tentam ludibriar a população só porque acham que a grande maioria não percebe nem vê nada do que se passa no mundo.

Estou curiosa para ver a campanha política deste partido…”


RFF em intimidade:

Mais um partido…

O voluntarioso Rui Marques, eternamente lembrado por liderar um grupo de jovens que quiseram unir Portugal a Timor-Leste, em 1992, no Lusitânia Expresso, vai criar o MEP – Movimento Esperança Portugal. No fundo mais um partido político, que não vai ser “anti-sistema”, que não vai nascer para “dizer que a política é corrupta”, que está “tudo mal” o que os políticos não prestam. Não entendo! Rui Marques quer construir e não destruir. Sim e…? Tudo o que este país está necessitado é de alguém que lidere um projecto credível, que rompa com a podridão instalada nas velhas sedes partidárias, que denuncie, que apresente propostas concretas, objectivos, que fale das mazelas do povo, da caristia de vida e que lance na lama o status quo instalado.
Mais um movimento para gravitar à volta dos restantes é uma perda de tempo. Uma vez mais, Rui Marques não conseguirá atracar em porto seguro, tal como em 1992.”

Marta num astro que flameja:

Num mundo perfeito

O ex-alto-comissário para a Imigração, Rui Marques, está a preparar-se para criar um novo Partido – um tal de Movimento Esperança Portugal. Diz ele que se trata de um movimento humanista “que quer estar ao centro do centro político, entre o PS e o PSD, para que a partir daí seja possível construir pontes e sublinhar mais aquilo que nos une do que aquilo que nos separa”. E eu quero ser uma rena do Pai Natal, carregada de presentes para distribuir diariamente pelas crianças do planeta e muitos cestos de comida para todas as pessoas que passam fome no mundo. Se não der para ser rena, posso ser miss ou, em última análise, adjunta do Luís Filipe Menezes para assuntos de qualquer espécie. “


Filipe Tourais:

Uma descoberta genial

Afinal, o PS e o PSD não ocupam o mesmo espaço no espectro político nacional. Há uma faixa, até agora desconhecida e inexplorada, num ponto equidistante dos dois. A personalidade que o descobriu foi Rui Marques, um ex-comissário para a Imigração, que se propõe agora plantar nesse ponto G, geometricamente situado no centro do centro, um novo Movimento Esperança Portugal. Gostei da ideia. Se no meio está a virtude, imagine-se no meio do meio. E gostei do nome: Movimento, sinal de dinamismo, Esperança, que tanta falta faz ao país, e Portugal, a pátria propriamente dita. É bonito.

Código de barras: Movimentos espontâneos de cidadania “

João Villalobos II

A chucha de Pandora

No Origem das Espécies surge um comentador, o Rui NS, que recomenda: «O MEP tem um site: http://www.mep.pt . Vale a pena conhecer primeiro para comentar depois». Segui o conselho e fui conhecer. Agora comento (outra vez): A imagem de marca é a de uma simpática miúda com chucha, passeando despreocupadamente num sítio onde parece que vai ser atropelada a qualquer momento por uma viatura – como dizem os nossos agentes da ordem – em alta velocidade.

Inclui, também, um vídeo onde Rui Marques aparece vestido com uma sóbria gravata fora de moda e, ainda, uma citação de Martin Luther King. Tanto bastou para que ficasse esclarecido; Rui Marques quer ser o nosso Obama. Com ele, os nossos filhos e filhas poderão andar livremente em lugares como o túnel do Rossio sem qualquer temor. Graças a Rui Marques e mais quem seja que o apoie, há «uma Política de Esperança» para Portugal. O quer que isso seja não importa; sabemos que será a última coisa a fenecer.

O meu avô chamava a certas figuras – e admito que fosse pouco original – «os chuchalistas». Referia-se não apenas a certos senhores do PS, mas a todos os que habitavam no centro do centro da nossa tuga periferia. Foi dele que me lembrei. Onde quer que esteja, imagino que olhe para isto tudo e não veja esperança em lugar algum. Só uma caixa de Pandora que ninguém sabe como voltar a encerrar. ”

IPhil

“Movimento Esperança Portugal
Rui MarquesSerá que estamos mais perto do que nunca da chamada 3ª Via, tão defendida pelo ex-Primeiro Ministro Tony Blair?

Pelo menos, o hype está criado e já gerou uma onda na blogoesfera…

Parece que há a expectativa para se perceber qual serão os argumentos deste senhor, para se insurgir contra o surgimento deste movimento.

Pessoalmente, ficarei na expectativa, uma vez que os recentes movimentos independentes de cidadãos fizeram soar os alarmes nos partidos, uma vez que as mais recentes eleições provaram que há espaço para esse tipo de movimentos. No entanto, senhores políticos, da minha parte, podem ter o voto em branco, garantido.”

11 thoughts on “Tão pequeninos e já a levar porrada

  1. Paulo Gorjão

    Caro Rui,
    O MLS não foi recebido, em momento algum, com a salva de tiros com que está a ser recebido o MEP. Motivo pelo qual a citação no teu post dos dois me parece sem muito fundamento. O que nos leva a pensar nos motivos que ditaram esta diferença. A resposta parece-me clara. O MLS tem um corpo próprio político-ideológico. Tem uma agenda coerente. O MEP, para já, não passa de um conjunto de banalidades e de lugares comuns. Dita de outra maneira, o MLS tem uma agenda diferenciada e uma identidade. No MEP não se vislumbra nada disso (ou, se quiseres, a que se advinha está escondida).
    Abraço.

    Reply
  2. Rui Cerdeira Branco

    O que mais me surpreende é algo que tem algumas horas de existência pública ter conseguido praticamente fazer o pleno na blogoesfera política de este a oeste, algo que eu nunca vi em quase 5 anos que levo disto. É obra.
    Que dos partidos surgissem reacções epidérmicas procurando matar qualquer mosca ainda vá, agora que do resto da malta se queira já, hoje, após uma conferência de imprensa, escalpelizar a coisa de forma tão… definitiva, é espantoso.
    Pessoalmente desejo muito sorte e bom trabalho a ambos os movimentos e como diz o outro, vou andar por aí. Nesta altura contento-me com pouco: pessoas honestas, empenhadas que (com ou sem ideologias vincadas) tenham um sentido pragmático e de justiça. Assim todos são poucos. E de caminho pode até ser que sirvam de pedra nas engrenagens que andam por aí demasiado acomodadas a uma suposta real politik e superior gestão de timmings ansiando por novas maiorias absolutas.

    Reply
  3. Paulo Gorjão

    Rui, esse pleno na blogosfera que citas, precisamente pela sua natureza ‘anormal’, é por si só um dado a ter em conta, ou não? Devo dizer-te que até nem encaro com hostilidade o surgimento de novos partidos se, com isso, servirem para eliminar os actuais bloqueios. Infelizmente, na forma como se apresenta, o MEP não me parece ter qualquer contributo relevante para dar.

    Reply
  4. Rui Cerdeira Branco

    Sim, leio por exemplo que quem reage de forma tão doutrinária e ortodoxa (qual é a ideologia mesmo?) corre o risco de se limitar a servir de guarda avançada de quem não precisa de mais cães de fila. Já todos admitimos dar cartas brancas a quem representava partidos que já nos haviam “escaldado” e, no entanto, assinamos de cruz e agora tudo se indigna com pouco mais do que o “centro do centro”?
    Diz-me lá se entre os teus amigos tens um como este que te passo a descrever:

    Tenho um amigo que está sem partido, que não quer votar outra vez no PS, nem no PSD, e que se recusa a votar nas extremas só porque quer protestar.
    Por outro lado, não admite abster-se nem faz ideia de emigrar e que tem sérias dúvidas quanto à bondade das maiorias absolutas futuras. Eu tenho dois ou três amigos assim e vejo alguns como eu a carpir exactamente isto por aí. Vou guardar as balas durantes mais uns tempinhos.

    Reply
  5. Pingback: Certamente! tecnologia: Rui Marques faz o pleno: vocês já deitaram água sobre areia?

  6. Pingback: Movimento Esperança Portugal « CODFISH WATERS

  7. Pingback: Então vamos lá virar isto do avesso « Farmácia Central

  8. Pingback: Adufe com ânimo | Diz que Ricardo Araújo Pereira ouviu falar do MEP

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.