E o melhor título genuíno do dia está…

…no dossier sobre o orçamento 2005 publicado pelo Jornal de Negócios:

“Saúde sucede às SCUTS nas PPP que a próxima geração vai pagar”

Lá para o ano 2008 as transferências do Estado para os privados das parcerias público privado (PPP), na construção dos dez hospitais projectados, ascenderá a mais de 440 milhões de euros, um valor que aumentará paulatinamente a partir desse ano, atingindo o limite máximo (650 milhões de euros) em 2016.

Só ponho uma questão quanto à futurologia do título. Será que vai ser mesmo a próxima geração a pagar? Ou à semelhança do que se passa com as SCUTS o Governo em funções em 2008 ver-se-á obrigado a “criar” receitas extraordinárias para impedir o sufoco da contas públicas?
Daqui a quatro anos teremos Luís Filipe Pereira a responder em comissão no Parlamento por conta destes “estranhosâ€? contratos com os privados? Até que ponto se hipotecam as possibilidades de política económica dirigida à saúde de um futuro governo que suceda a este? Ou por outras, que possibilidades haverá para negociar com o cada vez mais todo poderoso Grupo Melo Saúde? Que garantias quanto à prestação de serviços tem o Estado?
Para mais detalhes é ir passando por aqui.

2 thoughts on “E o melhor título genuíno do dia está…

  1. PUBLICUS

    Democracia e Liberdade em Portugal?
    Enquanto o PR não pôr termo à governação deste governo, continuaremos a ter bastantes atropelos à Democracia e à Liberdade em Portugal.
    O que está a dar é a malta emigrar como espero fazer brevemente, para a Europa Central.

    Se Democracia, e a máxima que a Soberania reside no Povo fossem repeitadas não teriamos governos indigitados.

    Ao longo da história já vimos coisas semelhantes.
    Portugal assim não vai a lado nenhum, agora me recordo que, por exemplo no OE retiraram na Educação e aumentaram na Defesa.
    Iremos alguma vez conseguir competir com o resto da UE, com políticas destas?
    Começo a estar farto deste país!
    Vou-me embora vou partir…

    ¨Algún día en cualquier parte,
    en cualquier lugar indefectiblemente
    te encontrarás a ti mismo, y ésa, sólo ésa,
    puede ser la más feliz o la más amarga de tus horas.¨

    Pablo Neruda

Comments are closed.