Adufe 5.0

As armas do meu adufe não têm signo nem fronteira
Random Image

As armas do meu Adufe,
não têm signo nem fronteira.

Bem-vindo ao Adufe 5.0



Quem descobriu agora que o PS assume que não tem varinha mágica ponha o dedo no ar

Óscar Gaspar, um dos mais influentes membros do órgão executivo do PS em matéria de gestão orçamental afirmou que: “Não há varinhas mágicas mas PS trabalhará para repor salários”

Segundo o PSD esta afirmação revela que “caiu a máscara ao PS”.

Nada disto é verdadeiramente espantoso, o  que é espantoso é que houvesse quem dissesse que o PS alguma vez tinha prometido ou garantido que isso se faria com um passe de mágica, num instante. Recordo por exemplo que quando todos os indicadores estavam a sair frustrados face às previsões da troika, com a recessão a ser muito pior, com o desemprego a ser muito pior, a dívida a evoluir muito pior, o PS  defendeu que o desvio não se resolvia com MAIS austeridade. No discurso de muitos o “MAIS” caiu para fazerem do PS o tal partido irresponsável.
Curiosamente, renegociou-se a dívida (com mais tempo e mais algum dinheiro), assinou-se mais austeridade e uns meses depois, um misto de  recuperação económica global, de fuga para a frente de muitos que emigraram e um efetivo travão a MAIS austeridade (via TC) começaram a dar proveitos. Os que ridicularizaram o PS quando antes tinha dito que precisavamos de mais tempo e mais dinheiro…


Quanto ao resto houve divergências importantes na composição da austeridade. Onde o PSD/CDS concentraram o sacrifício (excessivo e imediato) sobre a Função Pública e reformados, o PS teria disperso por todos os portugueses de igual rendimento minimizando a tomada de decisões dramáticas de muitas famílias e evitando o colapso do funcionamento eficaz de muitos serviços do Estado. Ou seja, onde o PSD/CDS optaram por violar a constituição, o PS muito provavelmente teria conseguido respeitá-la.
E onde o governo sempre quis ir além da troika desprezando qualquer entendimento (sendo arrogante mesmo), o PS teria desempenhdo o papel que  se esperaria de um governo que zelasse pelos interesses dos
portugueses: informado e consciente de que sem disputa política junto dos nossos parceiros (que preferem ser apenas credores), ficariamos muito pior.

Infelizmente aí não seguimos o exemplo da Irlanda, que curiosamente, sendo ainda mais papista do que nós (face à fé católica, não face à troika) lidou muito melhor  com a acusação da “culpa” e não cedeu a tudo o que lhe apresentaram. Lá foram negociando (mais os gregos) e nós  beneficiando apenas, parcialmente, do que eles conseguiram, como free rider bem comportado.

Entretanto temos menos produto, menos recursos, mais miséria, muito mais desemprego e muito mais dinheiro em dívida e necessidade de tempo para o pagar. Caiu a máscara ao PS, dizem eles. Não é verdadeiramente espantoso?