Adufe 5.0

As armas do meu adufe não têm signo nem fronteira
Random Image

As armas do meu Adufe,
não têm signo nem fronteira.

Bem-vindo ao Adufe 5.0


Archive for the ‘Letras e Livros’


António Alçada Baptista

É com imensa tristeza que recebo a notícia da morte (ontem) de António Alçada Baptista. Um escritor e político singular das últimas décadas neste país. Fica a saudade e ficam as palavras. Como estas:
Por mais estranho que pareça, homens livres, para quem a liberdade é efectivamente um valor, são os que estão presos por causa da liberdade dos outros.”
António Alçada Baptista, O Riso de Deus, Editorial Presença, Lisboa, 1996.
Entrevista na TSF ao vizinho Carlos Vaz Marques.

Conversor para o novo acordo ortográfico

Via twitter da Isabel Coutinho cheguei a este curioso serviço da Porto Editora: Português Exacto, um conversor de português antigo para português acordado, entre outros.

Regressando ao livros, devagarinho

Um banco de jardim, uma osga bem falante, à sombra de Camilo.

Entrada directa para o anedotário

” (…) No caso do romance que Mário de Carvalho editou este ano na Caminho, este desvio pode ser tão pernicioso que obnubile as qualidades de um livro em que a densidade da linguagem se adequa de um modo raro e exemplar ao propósito ficcional. (…)”

João Paulo Sousa

Casamentos entre pessoas do mesmo sexo: um livro debate

Via Derivados do Girassol chego a esta proposta de ocupação de tempos livres para logo à noite na Fnac do Chiado (às 19h30m):

A questão do casamento entre pessoas do mesmo sexo transformou-se num tópico importante da discussão política em todo o mundo, de que são exemplos mais recentes a decisão do Supremo Tribunal da Califórnia de Maio/2008, ou a lei norueguesa de Junho/2008. Em Portugal, aguarda-se pela decisão do Tribunal Constitucional sobre este tema e estão pendentes na Assembleia da República projectos de lei sobre a matéria. O presente livro aborda de uma forma séria e plural a questão, numa perspectiva filosófica, política e jurídica. Os autores, dois prestigiados juristas, têm posições opostas, mas isso não lhes retira a capacidade de dialogar: trata-se de um debate vivo, mas leal, de uma forma que é rara em Portugal, entre posições políticas fortemente contrastadas.

Bertrand reedita obra de Vergílio Ferreira

O título deste post só é notícia seguramente para quem anda muito distraído das lides editoriais lusas. É o meu caso, há por aí mais alguém?
É desta que “ataco” o resto da obra que ainda não lhe conheço.
Via Da Literatura.

Escrever

Dois posts para a Tati, sobre palavras, da autoria de Vergílio Ferreira (do livro “Escrever”, Bertrand Editora”):

30 Poupa as tuas palavras, guarda as melhores para o fim como o bocado num prato. Qual a última de que te vais servir? Não a imaginas. Mas a última que disseres ou pensares deve resumir-te a vida toda. Vê se a escolhes bem para remate do que construíres. Quando olhas a catedral o que fitas mais intensamente é o cimo das torres.”

39 Quais são as tuas palavras essenciais? As que restam depois da toda a tua agitação e projectos e realizações. As que esperam que tudo em si se cale para elas se ouvirem. As que talvez ignores por nunca as teres pensado. As que podem sobreviver quando o grande silêncio se avizinha. As que terás talvez dito na confusão das que disseste. As que talvez sejam só uma por qualquer outra ser demais. A que é impronunciável por ser demais o dizê-la na exterioridade do dizê-la. A que se confunde talvez com a simples emoção de a dizer. A que talvez nem exista ainda antes de a inventares. A que, se a inventares, deixará logo de te pertencer. A que está antes da que te aflora mesmo ao olhar. A que é a identidade de ti quando a morte já tiver vindo quando a quisesses saber. Qual a tua palavra essencial que o próprio Deus desconhece?”

Revista LER retoma actividade com blogue novo

O nosso estimado vizinho Francisco José Viegas abraçou de novo a responsabilidade pelo revista LER e promove um novo blogue sobre literatura, o blogue da revista LER. Vai directo para o google reader.
Grafismo enxuto e agradável a prometer actualizações diário excepto ao Sábado. Para aficionados em palavras e na indústria associada.

Sexy Steiner

“Compared to Professor Steiner, the autobiography of the busty glamour-model Jordan is a beacon of restraint,” said Craig Brown in the Daily Telegraph.

De queixo caído… (Thanx Claudia).
Ah, já me esquecia o livro chama-se Lust in Translation. Já leu Francisco?

E quem vai traduzir “Lust in Translation” para português?

O Português é de quem o rega e lhe dá substrato

Alguma vez conseguiríamos encontrar o verbo “Cogitar” num título de um jornal de referência português? E se o procurássemos nas páginas de economia e finanças, ainda seria mais improvável, certo?
No Brasil não têm medo de usar o português, o Folha de São Paulo online, por exemplo, tem-los no sítio: “Fed cogita fazer novos cortes nos juros dos EUA“. Tau! Embrulha!
Depois venham-me cá com mais rodriguinhos e engulhos em torno do acordo ortográfico. Haja vergonha!