Adufe 5.0

As armas do meu adufe não têm signo nem fronteira
Random Image

As armas do meu Adufe,
não têm signo nem fronteira.

Bem-vindo ao Adufe 5.0


Archive for the ‘Gastronomia’


Tomate dois em um

Há qualquer coisa de inspirador nos tomates. Estes por exemplo são um modelo híbrido, cuidadosamente desenvolvido no mais fantástico e competente laboratório do mundo.
O que seria da culinária mediterrânica sem eles? O que seria do mundo sem os tomates.

Bom fim-de-semana e bons cozinhados.

Boa vida e não só

O Viagens no Espaço abriu as portas há menos de três meses, não serve refeições, não vende livros nem dá rebuçados mas quase. Vai contando com um pequenos grupo de colaboradores dedicados que fazem dos sectores abordados (turismo, transportes, viagens e eventos em geral) parte do seu ofício e/ou da sua ocupação preferida nos tempos livres.
Têm-se conseguido aquilo que julgo ser uma mistura interessante de informação (sugerindo eventos, acompanhando estatísticas dos sectores) e de pequenas crónicas (sugestões de hotéis, restaurantes, etc) onde mais do que sublinhar o que temos de medíocre se tem procurado sublinhar o que temos de bom e estimulante em Portugal.
Quem por lá tem passado tem-nos dados nota positiva do que vai lendo. Eis as ligações para alguns dos textos que foram sendo publicados ao longo destas primeiras semanas no Viagens no Espaço e que mantêm actualidade:

Read More

I believe PIIGS can fly!

Ora se há gente que já viu porcos a andar de bicicleta qual é o espanto de agora termos PIGS voadores. Na Europa só os PIGS conseguem voar.
Por ironia de uma qualquer saga islandesa andam por estes dias Portugueses, Italianos, Gregos e Spanhois (os PIIGS da alta finança – sem a Irlanda que tragicamente se confundiu com a Islândia no meio da poeira primordial e só com um pedacito da Itália) a fazer de lisboetas para portuenses até meados da década passada: “Onde é se apanha o metro, perdão, o avião, nesta vossa terra?“.
A anedota é daquela secas, que deixam um pigarrear de quem inalou algo que não devia, talvez alguma cinza alheia, pois em breve esgotar-se-ão o salmão fumado da Noruega das lojas gourmet ou os bifes que-até-tinham-a-libra-mais-valorizada-face-ao-euro-este-ano no Algarve, mas por enquanto brindemos, ou melhor, delicie-mo-nos com um risotto de espargos peruanos, rematado com uma pratada de uva red king acabada de vir do Chile.
Lisboa 75 anos depois volta a ser uma das raras cidades europeias livres, plataforma escapatória não de espiões em tempo de guerra mas de peões que se queriam aprendizes de Ícaro. E de repente, voltámos aos anos 10 de 1900. Já se terá afundado o Titanic?
Algures no planeta, um navio chamado Eyjafjalla recebe neste momento os seus primeiros rebites.
Entretanto, recordar é viver, ainda que medidas as devidas distâncias (o Eyjafjalla é um menino que nem por sombras conseguiu mandar pedaços do inferno a mais de 30 km de altitude… por enquanto).


” (…) The cloud over the earth reduced global temperatures. In 1992 and 1993, the average temperature in the Northern Hemisphere was reduced 0.5 to 0.6°C and the entire planet was cooled 0.4 to 0.5°C. The maximum reduction in global temperature occurred in August 1992 with a reduction of 0.73°C. The eruption is believed to have influenced such events as 1993 floods along the Mississippi river and the drought in the Sahel region of Africa. The United States experienced its third coldest and third wettest summer in 77 years during 1992.

Overall, the cooling effects of the Mount Pinatubo eruption were greater than those of the El Niño that was taking place at the time or of the greenhouse gas warming of the planet. Remarkable sunrises and sunsets were visible around the globe in the years following the Mount Pinatubo eruption. (…)”

Mais aqui.

Sessenta anos de Conchanata

A propósito de um post com mais de três anos (este – que terá sido uma das primeiras referências à Conchanata na internet) fui contactado gentilmente pelo advogado dos proprietários da “Gelados Itália”, vulgo, Conchanata (talvez a melhor gelataria do país).
Além da precisão quanto ao nome formal e do encarecido pedido para que trocasse “xarope de morangos“, por “calda gelada de morangos“, no texto original do referido post, fiquei a saber que o estabelecimento foi fundado há 60 anos.
A esta fábrica de sabores que vai na segunda geração, desejam-se muitos e bons anos. Haja bons frutos para os gelados, boa memória para recordar a receita secreta e uns euros no bolso dos clientes para ir tipicamente de Março/Abril a Setembro/Outubro, deleitando as papilas, ali para a Avenida da Igreja, em Lisboa.
Parabéns.

Uma Cerdeira é uma Cerejeira

E porque as ditas são muito cá de casa,
E porque a Estrela e a Gardunha são para mim desejadas linhas do horizonte,
E porque o João me deu uma dica,
aqui fica:


“Os Caminheiros da Gardunha e o Teatro Clube de Alpedrinha, integrado na Festa da Cereja – 08, organizam no dia 18 de Maio de 2008 a caminhada “NA ROTA DO CARDEAL DE ALPEDRINHA”.”

E elas já andam por aí. Para já em torno do 5€ o quilo mas com promessa de doces prazeres um pouco mais em conta a cada dia que passa. Com cumprimentos do Fundão.

Nokick Djalo

É sempre bom regressar depois de ter esticado a coluna com três pulos em Alvalade. Quando ninguém estava a espera de um jogo fácil e depois de uma primeira parte de sofrimento intenso eis que o futebol do Sporting renasce das cinzas completado por belos golos improváveis ainda há bem pouco tempo, como aquele alinhavado pela máquina de fazer tricot argentina (Dom Romagnolli) servindo Marat (deu-me-livre-de-ser-safin) Iasmailov. Folha seca a marcar o início do Outono e fechar um ciclo complicado com desfecho razoável por parte do Sporting.

Em duas semanas houve emoções futebolísticas q.b., com milagres, cataratas, visões e pronunciamentos à mistura. Acaba-se a função, por hora, a falar da relva, como desfastio.

Pela blogoesfera também vejo que há também novidades. O Paulo Gorjão depois de muitos ameaços está a fazer umas férias mais definitivas (porque não fazes assim umas pausas de duas semanas de quando em vez, homem!); a TubarãoEsquilo está na iminência de apresentar coisas novas e apetitosas (notícias em breve) e o mundo está à beira da perdição com o amigo Francisco a anunciar o impronunciável (quando a minha mais-que-tudo ler isto, estou frito, cozido, assado e feito em sumo de limão com o cristalino e tudo). Que o diga a Catarina em novo poiso com nome próprio, douta já de larga experiência com o mesmo aparato terrífico. Em defesa dos tachos e das panelas me levanto! Até um dia…

Assim regressa este adufe que não sei ainda o que há-de ser nos tempos mais próximos. Está-me a cheirar que vai levar uma volta e é se quer.

As joaninhas e o alecrim

Quer ter uma horta decente sem ter de envenenar o ambiente e as suas goelas com pesticidas?

Saiba toda a verdade (ou quase) neste artigo do DN de hoje sobre joaninhas: "Os novos camponeses da cidade descobrem o poder das joaninhas". 

Sempre serve para desenjoar das estatísticas… 

Lente Invertida

Já agora, no final do debate da noite pode provar os excelentes vinhos da Herdade de S. Miguel.

Pode vir mais cedo e ver a excelente exposição «Que sei eu do que serei, eu que não sei o que sou?», dos fotógrafos da Kameraphoto, espalhada por todo o edifício — bem como a mostra de bibliografia & objectos pessoais de Pedro Tamen (assinalando os seus 50 anos de vida literária), no rés-do-chão.

Hoje, na Casa Fernando Pessoa, a ministra da Cultura, Isabel Pires de Lima, para debater o papel do Estado na Cultura, com José Fonseca e Costa, Rui Horta, Zita Seabra e Urbano Tavares Rodrigues. Às 21h30, em Campo de Ourique. O moderador é Carlos Vaz Marques.

||| Estado.

Adaptado de A Origem das Espécies

Os piores portugueses de sempre (act. V)

Se já leu este post avance para a adenda no final.

Inicialmente datado em 15 OUT 2006 este post vai perseguindo o cabeçado do blogue como um fantasma, mas há vida lá por baixo, vida e disparos para todos os gostos nos comentários deste post. 

Inspirado por este post, perdão por este post do Frenchkissin’ ocorreu-me est’outro furo propagandístico altamente oportunista. Escolhamos os piores portugueses de todos os tempos, aqueles que apequenaram Portugal. Julgo que o desafio é no mínimo tão interessante (e polémico) quanto a sua antítese.

Aceitam-se inscrições e recomendações, devidamente fundamentadas (com indicação descritiva e respectivas fontes). Eu responsabilizo-me pela pré-selecção e depois de muita polémica vamos a votos. Caro João, diga lá unzinho pelo menos para começarmos a brincar à intelectualidade.

Eu por exemplo nunca fui com a cara daquele que tem nome de utensílio de cozinha, como é que se chamava mesmo? Fez um mal danado a gente querida identificável.

Então, alguém se atreve?

Adenda: outra listagem de classificação é pedida  pelo Paulo Querido no seu blogue "Maiores Portugueses de Sempre Esquecidos Pelos Portugueses", seguramente o blogue português com o maior endereço de correio electrónico de todos os tempos… Desconfio que nem cabe na caixa do Via CTT, caro Paulo.

Adenda II: E que tal a listagem d’Os Porteguesinhos proposta pelo Revisão da Matéria (que nome de bloggue mais auspicioso para tamanha empresa). El Ranys junta-se a esta iniciativa do Adufe propondo alguns exemplos (com direito a boneco) de sua lavra. O conjunto é no mínimo "inspirador". Como é que eu me podia ter esquecido do Tino de Rãs?!

Adenda III: Mais uma sugestão de lista aqui no Faxavor. A sugestão da alínea h é original, é de Homem. 

Desafio aos leitores

Acabei de almoçar um belíssimo e suculento Bife da Vazia à Puaba.

Quem é o leitor mais perspicaz do Adufe? Em que consiste um Bife da Vazia à Puaba?

Aceitam-se respostas na caixa de comentários. Atrevam-se a descobrir…