Adufe 5.0

As armas do meu adufe não têm signo nem fronteira
Random Image

As armas do meu Adufe,
não têm signo nem fronteira.

Bem-vindo ao Adufe 5.0


Archive for the ‘Brasil’


Rodrigo Leão? Vira lata!

What happened to Rodrigo Leão? Amariou-se na terra. “Versão” br.
– neste br-br-br-logue, frio não entra –

O Beijo Propólis!

Vida asséptica? Não! Apenas um carnaval asséptico. Algum contra-senso?

Manaus não existe

O verde vai embora.

"Crise textil no Japão" ou "Como poupar energia" ou "The Rebirth of cool"

(Este post é especialmente dedicado os leitores que tenham o fato por farda)
Passou em nota do insólito no Público há dois dias; encontro-a com bastante mais destaque, profundidade, humor e informação na imprensa brasileira, por exemplo, na secção divirta-se do jornal Estado de São Paulo. A brincar, a brincar… Do que é que estou a falar?

“O primeiro-ministro japonês lidera campanha para que homens trabalhem sem gravata e assim diminua o uso do ar condicionado nos escritórios”

Por favor, leiam o artigo. É precioso em muitos sentidos!
Bom dia!

Visto de cima sou quase careca

A propósito da neve no Brasil lembrei-me de uma peta (sei-o agora) que um brasileiro me pregou, quase me convencendo que o ponto mais alto do seu país não chegaria aos mil metros. Vive num Brasil pequeno esse camarada de terras baixas.
Graças ao bom pesquisador da internet descubro que há poucos meses o Brasil mudou a geografia percebida: “Satélite muda altura de ponto culminante do Brasil“. No caso do ponto mais alto – o Pico da Neblina – o próprio nome quase desculpa os erros de medição do passado.
Já por cá não haveria toponímia que nos apaziguasse; como seria (será) com a nossa Estrela ou com o nosso Pico? Vai um polígrafo pelo GPS? E se nem com a Torre o continente chegar aos 2000 metros?
Que país é este?

Saudade!!

Acabei de receber na caixa de correio electrónico uma triste notícia relativa ao Ruy Lira Zananiri, um internauta brasileiro que deu com o Adufe há algumas semanas e que acabou por colaborar no blogue com o seu humor e com a sua curiosidade lusa-brasileira. Ajudou-me, por exemplo, a acompanhar mais de perto a crise no Rio de Janeiro e a sentir um bocadinho melhor o que de bom pode surgir com esta “brincadeira” na blogoesfera. Transcrevo o e-mail enviado pelo seu filho. Obrigado Ruy.

“Estou comunicando a todos os amigos e Parceiros do meu PAI, Ruy Lira Zananiri, a sua MORTE por motivos de saúde no dia 6 de Junho do ano de 2004. A família agradece a solidariedade de todos os amigos e parceiros. Este e-mail continua como contacto e eu Emmanuel de Souza Zananiri vou dar continuidade aos seus compromissos.

Grato
Emmanuel de Souza Zananiri e Família.

Essa saudade dentro do meu peito (corr.)

O prestável correspondente brasileiro do Adufe, Ruy Lyra Zananiri, lembra-nos um evento marcante na vida cultural brasileira. Ainda que já o Aviz e outros nos tenham lembrado que Dorival Caymmi comemorou 90 anos a 30 de Abril, sublinho o recorte do Globo On-line que o Ruy me enviou. Nele se faz a crónica do ciclo de homenagens que três dos filhos do mestre, também eles no ramo das musicas e das letras, iniciaram no Rio por ocasião do nonagésimo aniversário do “velho baiano”.

Há muito tempo (tanto quanto a minha condição de sub 30 permite falar nestes termos) o nome de Dorival Caymmi faz parte do meu imaginário, quase sempre pela boca de outros como João Gilberto (principalmente) ou Maria Betânia (mais recentemente)…
D. Caymmi, A. Barroso, A.C. Jobim, V. De Moraes, R. Guimarães, C. Lyra são alguns dos enigmáticos autores que durante anos me deliciei a ouvir no leitor de Cd’s. Destes todos apenas tive o prazer de ouvir em pessoa, António Carlos Jobim, numa hilariante e triste – um dia eu explico – aventura Sintrense. Dos outros, aos poucos, tenho juntado peças, acumulado descobertas. E tem sido sempre um prazer enriquecedor ir mantendo uma antena virada para o passado e para o presente do outro lado do atlântico. Faz bem à alma do português saber-se um bocadinho brasileiro.
Caymmi foi um dos melhores a cantar a saudade ao pensar na Bahia. Um grande rival de muitos compositores de fado não fora saudade no Brasil escrever-se samba-saudade.

Que Brasil chega a Portugal

Caro Xará, muito bom dia !!

Na próxima segunda-feira, dia 16, Ipanema completará 110 anos, com larga comemoração programada pelo prefeito (alcaide) [presidente da câmara municipal ;-)]do Rio. A importância do bairro em que moro é tão grande, que de acôrdo com as estatísticas, 98% dos turistas que aqui no Rio de Janeiro aportam, elegem Ipanema como o “point”, pela sua beleza, descontração, vida intensa, fama internacional,etc… cantada em prosa e versos. COPACABANA JÃ? ERA !!!!!

Inúmeras são as nacionalidades que circulam pelas ruas e restaurantes do bairro ; temos norte-americanos, canadenses, quase todos os paízes europeus representados, e muito, MAS MUITO MESMO, portuguêses.
(…)

Um forte abraço brazuca,

Ruy Zananiri

A longa escalada até ao fundo do poço

A contestação à governadora do Rio sobe de tom, assim como a avaliação da segurança dos paióis militares, após a descoberta de um mini-arsenal de minas antipessoais e granadas ontem no Rio de Janeiro. Um arsenal que é apenas uma ponta do iceberg dos que se escondem nas favelas, segundo alguns especialistas citados nos jornais brasileiros. Pela imprensa vão passando alertas que visam construir um novo destino como o que Cora Rónai, articulista d’O Globo escreveu ontem no segundo caderno.

Atentem neste parágrafo que aqui reproduzo:

(…) Às vezes a gente olha para a Colômbia e se pergunta como pôde um país daquele tamanho mergulhar tão profundamente no caos. A resposta está aqui, na nossa cara: assim, passo a passo, com a conivência e a omissão das autoridades, com a incompetência estabelecida em todos os níveis da administração. A governadora e o secretário seu marido podem até não ser os únicos do lote, mas são, certamente, os que têm a pior atitude. Ou falta de. (…)

Com a colaboração de Ruy Zananiri

Humor carioca…

Limites.jpg

Enviado pelo Ruy Zananiri