Vasco Granja

Dos Urais às Montanhas Rochosas, Vasco Granja levou-me a uma imensa diversidade cultural por via da animação. Lembra aqueles professores que muitos num primeiro momento estranhavam. O certo é que havia uma riqueza intrínseca na diversidade cultural que apresentava. A parte que me faltava para perceber a ecologia (eu mocinho que me apaixonava mais pela silhueta das serras que pelos corrimões das escadarias nos pequenos arranha-céus portugueses) julgo ter vindo de algumas das peças de animação que apresentava.
Partiu hoje aos 83 anos, talvez assobiando a pantera cor-de-rosa com um urso de plasticina checoeslovaco ao ombro.

António Alfacinha na Turma da Mónica

Os mais cá de casa saberão que à Turma da Mónica sempre teve um lugar especial no Adufe desde os seus primórdios, por isso não podia deixar de destacar aquela que é inquestionavelmente uma das grandes notícias do ano.

Maurício de Sousa que tem passado por Portugal nos últimos anos, resolveu enriquecer a sua famosa Turma da Mónica (perdão, Mônica) com um novo personagem. Cheguei à notícia via Expresso on-line que nos oferece o momento do nascimento do António Alfacinha, o miúdo português. Nice haircut! Está porreiro, ora pois!

Longa vida para esse embaixador tamanho "malinha". 

Good sport! Os cartoons via Irão.

Até ao momento, o que vejo neste site iraniano não fez tocar nenhuma campainha de alarme nos meus censores predilectos, o Senhor Bom e o Senhor Senso. Parece-me até que lá do "outro lado" alguém espera uma reacção parecida à que vamos vendo entre os fanáticos que ocupam os seus dias com ameaças, censura, violência. Espero que tenhamos mais qualquer coisa na cabeça e que haja poucos mentecaptos desses aqui na vizinhança.

Há alguns dias escrevi aqui que seria bom que a reacção dos ofendidos pelos cartoons Dinamarqueses se fizesse com humor, numa guerra de cartoons, por oposição a uma guerra de bandeiras queimadas. O julgamento da razoabilidade da provocação de cada cartoon fica ao critério de quem o vê, pelo menos nesta questão e assumindo algum risco, será assim o procedimento no Adufe. Sem hipersensibilidades, favorecendo esta outra forma de libertar energias reprimidas e talvez mesmo esvaziando o campo de acção dos radicais. Tenho para mim que um bom cartoon foi, é e sempre será um inimigo muito eficaz do terror.

É ir passando pelo www.irancartoon.com (pode demorar um ror de tempo a carregar a página) e esperar que as características básicas de um cartoon sejam seguidas, com toda a liberdade de expressão.