Monthly Archives: January 2010

Em águas profundas

“(…) Quando, em Outubro de 1968, entrou ao serviço da Armada, a sua vida útil prevista era de 25 anos. Em 2010, fará 42 anos de vida operacional. É o submarino mais antigo de todas as marinhas de guerra da NATO. Prepara-se agora para iniciar uma nova vida enquanto museu, em Cascais. Mas já muito antes se tornara uma lenda entre os militares. (…)”

In “Bravo Zulu Barracuda“, Jornal Público sobre a última viagem do submarino NRP Barracuda.

Fazer prova de amor com papel passado

Eu pensava que o núcleo fundamental do casamento devia ser o amor entre adultos não aparentados (ou vá lá, desde que sejam primos afastado).
Será que é hoje que passamos a ser um país com mais respeito pela dignidade de todos?
Eu gostava imenso de poder passar adiante e, claro, ficando mais contente de ser português.

Adufando as janeiras

Novo ano, de volta ao Adufe. Agora com uns brinquedos novos. Se houver ânimo para dinamizar este espaço com mais regularidade outros brinquedos surgirão nesta época de multiplicação de canais e de redes. Para já fico-me a recordar a vaga memória de uma canção das janeiras que ouvi os meus avós a cantar à beira da lareira há alguns anos bem lá no meio da Beira Baixa.

(se demoram a dar as Janeiras…)

Levante-se lá, senhora
Dessa cadeirinha torta,
Venha-nos dar as Janeiras
Se não (fazemos-lhe) à porta.
(…)
Naquela relvinha, naquela lameira,
Por de trás da fontainha se come a janeira.

É espreitar esta recolha de José Gil Vicente da Beira e outros deNÓMIOS