Categories
Educação Política

Eis o meu trauma com a passagem do 1º para o 2º ciclo do básico

Tive uma excelente professora no 1º ciclo do básico, então escola primária. A professora Manuela soube-me incutir noções indispensáveis de justiça e da importância da proporcionalidade para equilibrar desvios de carácter. Ensinou-nos como é possível ser respeitado sem recorrer a tácticas intimidatórias, soube apoiar os que precisavam de mais apoio gerindo de forma equilibrada toda a turma e de forma diferenciada de acordo com as dificuldades de cada um nas diversas matérias que leccionava. Promoveu visitas de estudo, conquistou a amizade e admiração de todos os alunos durante os quatro anos em que nos deu aulas. Foi uma excelente funcionária pública da escola básica Nº 1 de Mem Martins (escola-piloto).

Muito do melhor da minha infância passou-se naqueles anos. Mas recordo também a felicidade, a ansiedade e o orgulho de já ser mais crescidinho que foram pontuados pela ida para uma nova escola com muitos novos amigos e com um corrupio de professores que ensinavam coisas muito diferentes e que nos exigiam cada vez mais responsabilização pelos nossos actos, sendo crescentemente menos paternalistas. Novos amigos, uma nova forma de ir para a escola (agora de autocarro, antes a pé, mais longe da minha querida mãe galinha), novas matérias (na altura começava-se a aprender línguas estrangeiras no 2º ciclo, o ensino preparatório), sete ou oito professores diferentes, alguns deles homens! Que diferença, que excitação, que bom ter ido para a escola Visconde Jerumenha, então no meio dos eucaliptos na Tapada das Mercês!

É por isto que não entendo estes dizeres: “Transições muito bruscas – Investigadores defendem fusão entre o 1º e 2º ciclos do ensino básico “. Transições bruscas? Rupturas? Traumas?! Expliquem e justifiquem como quiserem e convençam-nos da bondade da decisão mas por favor deixem o trauma de lado. Nós nascemos (provavelmente o acto mais traumático de toda a nossa existência – em todos os sentidos), vivemos e morremos. Saber lidar com o trauma é o nosso modo de vida!
É que com argumentos destes desconfio que o Paulo Rangel há-de ter alguma razão no que escreve: “Sistema de ensino: rumo à infantilização crescente“.
Como disse acima, mudar da escola primária para a preparatória foi de facto traumático, mas no sentido que descrevi. Se há coisa que sinto cada vez pior na escola é a sua incapacidade em preparar as crianças para o mundo real, para os traumas que desejavelmente terão pela frente se viverem o suficiente. A escola não pode ser vista nem como uma fábrica de pequenos adultos, nem como uma bolha habitada por seres desprovidos de sistema imunitário. E eu confesso que o discurso clínico, a tresandar a psicologias da pior lavra que tantas vezes preenche os estudos que têm sustentado reformas atrás de reformas, me causa enormes alergias e é já de si factor para ficar de pé atrás também quanto a este.
Fico também com a sensação que andamos em torno do acessório escapando-nos o essencial. Enfim, diria que no que há para fazer no ensino português, a fusão entre 1º e 2º ciclo estaria longe de ser uma das minhas prioridades ditadas pela intuição. Vou ainda assim tentar dar o benefício da dúvida e aguardar por mais esclarecimentos quanto às intenções.

3 replies on “Eis o meu trauma com a passagem do 1º para o 2º ciclo do básico”

Partilho do teu ‘trauma’…

Recordo-me bem da excitação da novidade de ter vários professores e disciplinas… assim uma ‘coisa a sério’, como que uma passagem para o ‘mundo dos grandes’ (também numa escola bem mais longe de casa)… enfim, coisas que nos fizeram crescer!

Abraço.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.