Do jornalismo de causas, ou como não embarcar em cauboiadas sem analisar bem a questão

Quem diria… Parece-me que afinal o país não fala mesmo em uníssono na questão do Caso Esmeralda, agora já nem os jornalistas, já nem todos os jornalistas, alinham na causa que foi erguida como bandeira. A crítica chega a Editorial na Sábado, por exemplo.

Por um momento, e apesar de uma forte orientação dos media (de uma parte dos media: DN, TVI, RTP, entre outros), em prol de uma corrente de opinião extremamente crítica e com objectivos de mobilização popular, surgiu talvez uma algo inesperadamente resistência.

Os juízes, talvez por ainda não estarem habituados à lide de comunicar o seu trabalho com as massas, tentaram, algo atabalhoadamente, ultrapassar o intermediário e piscar o olho ao público, directamente. No meu caso e no de muitos outros bloggers resultou. Quando alguém nos oferece um mundo a preto e branco, não faz mesmo mal nenhum investigar, não para nos enlearmos em relativismos sufocantes, mas para evitarmos os voluntarismos criminosos. Aprendi isto a ver westerns, vejam bem!

(continua)

1 thought on “Do jornalismo de causas, ou como não embarcar em cauboiadas sem analisar bem a questão

  1. Pingback: » Do jornalismo de causas, ou como não embarcar em cauboiadas sem analisar bem a questão II

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.