Categories
Curiosidades Estatísticas

Estatística da greve

Um "curioso número" pouco redondo calculado n’A Metamorfose.

Categories
Blogologia Publicidade

Blogsvertise sucks! ReviewMe rules?

Pois é. Termina aqui o período experimental para o teste ao serviço de publicidade do blogsvertise – remember this?

Pois fiquem sabendo que me pediram duas tarefas publicitárias. Como ponto prévio devo acrescentar que o pagamento acordado era de $10 por tarefa concluída. Basicamente tinha de escrever o que me apetecesse sobre produto ou serviço por eles indicado com a única exigência de que teria de fazer um mínimo de três ligações ao site do patrocinador. O que aconteceu? Ontem recebi como pagamento…. $5!

Das duas tarefas uma (pedida por e-mail) nunca entrou na minha conta pessoal e a outra foi paga por apenas 5 dólares porque lhes apeteceu. Qualquer tentativa de contacto com os serviços se revelou na prática infrutífera. A única vez em que recebi troco foi para reconhecerem que se enganaram, para me informarem que me iriam pagar o devido e para no fim… receber metade do combinado. Conselho final: esqueçam o Blogsvertise (here goes a free link guys!).

Entretanto apresento-vos a nova experiência publicitária aqui no adufe (ou melhor, em testes na velha casa). Aparentemente a origem do serviço oferece mais garantias. 

Categories
Publicidade

Advertising experience

O blogger conta ser pago pelo conteúdo deste post / This post is due to be payed by it’s sponsor

Este post será escrito em Inglês por capricho do autor. Qualquer futuro post patrocinado no âmbito desta iniciativa surgirá em Português.

Here goes some English for a change. This weblog is officially entering an advertising experience. I’ve been conducting some of this experiences in Adufe 3.0 as some of you probably now – by the way, the last one (blogsvertise) didn’t go very well as I will describe with some detail in a couple of days in Adufe 3.0.

But what brings me here his somewhat of a proxy of the last experience with the difference that it was presented to me by a somewhat more reliable source: Text Link Ads. And this is the only reason I’ll try again more or less the same concept: review some product in the weblog.

In this case things are not yet very explicit. For example, for the time being no one demands a minimum number of links neither demand a good review but this is just the beginning some caution is in order. ReviewMe is trying to catch your attention with a special offer in which they will pay an accumulated sum of $25.000 to the publishers that review their offer. For example this review is due to have a payout of $50 (the amount depends of a pre-evaluation of the weblog ranking in the net and I guess $50 is not so bad – Adufe 3.0 would pay only $20).

In the "Why?" Section of ReviewMe you will find their “problem solving solutions”. As some one already noticed before, this kind of advertising is going to change publicity in the net itself and probably after an adaptation period the effectiveness of this kind of adverting will decline but in benefit of what, I ask? This is plain and simple publicity, previously referenced in the beginning of the post and you are only reading because you want to. Will this kind of publicity in a lower effectiveness future be treated for instance has hidden pay-per-post schemes?

Let’s find out by giving Review.me and the like services a chance. I’m sick and tired of the almost monopolistic (and blogger blind) offer by google adsense for example. Naturally I will give you the follow up on this experience one month from now – when the payment is due.

To end with I leave here the FAQ that you can find in ReviewMe site. Very interesting don’t you think so?

Categories
Economia

Alergias e complementaridades discretas

A alergia é a novos impostos. Estou no estado tal de saturação perante novas taxas, taxações, impostos e impostinhos que até quanto a questões de princípio como seja "sim ou não a um imposto sobre sucessões" me abstenho de opinar. Digamos que estou temporariamente incapacitado para ver a bondade de novas fontes de receita para o Estado. Adiante.

Quanto às complementaridades discretas têm a ver com os exemplos emanados da "responsabilidade social da riqueza" e das "dívidas sociais" sentidas por alguns bem sucedidos. Ainda que as expressões tenham entradas directas no prontuário das alergias de uns quantos ismos (geralmente confundidas com uma pejorativa "caridadezinha") é difícil antipatizar com tais provas de … altruísmo de baixa intensidade. Longe estamos de Lázaro, bem entendido! E mais do que ter simpatia faltam-me os argumentos de oposição quando me sobram pela cabeça palavras como exemplaridade, pragmatismo, realização, humildade, discrição.

Enquanto uns e outros se digladiam em torno da política fiscal e do grau de intervencionismo estatal (e ainda outros como eu convalescem de choques anafiláticos), ninguém impede vossa excelência, leitor abonado muito para além das suas necessidades, de se inscrever intimamente na nobilíssima lista não listada dos portugueses de boa cepa que com toda a liberdade investem e investiram com paixão e amor (not quite the same) naquela coisa que lhe dá o prazer supremo, quase secreto, que vem da cumplicidade intransmissível entre o que fez e o bem que sente e vê à distância ter provocado na existência dos outros.

Será essa atitude liberal? Iliberal? Estará na moda? É coisa de antanho? Deixe essas dores de cabeça para os istas e agradeça aos liberais à moda antiga que lhe fazem a melhor publicidade que se pode ter.

Categories
Política

As desigualdades

Um post curioso e no mínimo polémico de Rui Pena Pires n’O Canhoto: "Observatório de Desigualdades". Por lá se pode ver (comentários incluidos) que o liberalismo, tal como todos os ismos, dá para tudo. Nesse aspecto é, dos ismos, aquele que está em melhor forma nos dias de hoje.

O pressuposto de que qualquer liberar genuíno não se incomodaria em começar a sua vida em base zero, ou seja, em igualdade com o seu semelhante fazendo-se valer cada um do seu trabalho, do seu mérito individual no desempenho que tem na sociedade, afinal pode ser iliberal por conta do cerceamento da liberdade de cada um fazer o que entender da sua fortuna no final da sua vida (garantindo, por exemplo, que os seus filhos "partam à frente" na "corrida" que por sua vez iram disputar).

Constato o facto; a solução razoável está algures por entre os dois extremos de opinião como quase sempre.

E já agora deixo a perguntinha para um liberal à moda antiga. A filantropia entra no programa de um liberal à moda antiga e ajuda à distinção face ao liberalismo "moderno"?

Categories
Blogologia

Blogue novo na Parada

Chama-se Memória Virtual, reside em http://memoriavirtual.wordpress.com/ e dizem os arquivos que já tem mais de três anos e meio (ainda que noutras paragens).

Brincadeirinha… É só para avisar algum distraído que o Leonel Vicente vai editando  o seu Memória Virtual agora também em WordPress (no WordPress). Visualmente, para mim que uso o Firefox, a aparência gráfica melhora e muito face ao template existente no weblog.com.pt, quanto ao conteúdo vai versando sobre os temas com a variedade enciclopédica e qualidade a que nos habituou. Blog on!

Categories
Economia

O estranho caso das taxas de inflação multiplicadas

Regresso para ser confrontado com uma notícia inacreditável (em matéria de estatísticas oficiais).

Os que por aqui passam há mais tempo (particularmente desde o Adufe.pt) sabem como tudo o que tem a ver com estatísticas é "muito cá de casa". A minha estupefacção quanto ao caso que relato, com alguns detalhes, deixo-a documentada no Economia e Finanças que serve melhor esse propósito uma vez que a matéria envolve algumas referências à produção da informação oficial.

Julgo que em mais de três anos é a segunda vez que me ocupo de relatar o público desconforto por algo que se passa no INE com o contributo de quem está à frente da instituição. A primeira, se bem recordo, ocorreu quando uma publicação do INE com a chancela de estatísticas oficiais, apareceu a abrir com um prefácio altamente politizado do então primeiro ministro (com direito a foto): José Manuel Durão Barroso – foi a primeira vez em 70 anos de história. Desta vez a palavra certa é mesmo estupefacção.

Convido-vos a passar pel’ "As duas taxas de inflação do INE para 2006 – O caso dos dois gémeos falsos".