Categories
Política

No meu corpo mando eu!

"No meu corpo mando eu" grita ela com cartaz na mão na via pública e eu atiro-lhe com o Homem Aranha que me parece bem mais sábio do que a concidadã:

"With great power comes great responsability".

Queres ver que ele vota não? Pergunta o leitor mais polítizado. Não, não votarei "Não". Ou por outras, sim, votarei no "Sim" no referendo sobre a despenalização da interrupção voluntária da gravidez até às 10 semanas

E voto também para que toda a mulher se perceba dona do seu corpo ao ponto de que todas interiorizem a responsabilidade que isso acarreta. Por muito ruído que se levante não se referenda mais do que aquilo que se pergunta. Que no dia seguinte se faça cumprir a lei, senão não vale a pena. Ou será que daqui a uns tempos estamos a discutir as mulheres que estão a ser julgadas por terem praticado o aborto às 11, 12 ou 13 semanas como sendo vítimas? Por muito incómoda que seja a questão e complexa em termos sociais tem mesmo de haver um limite de responsabilização e, em bom rigor ao referendarmos a lei é isso que deveria estar em causa. Uns defendem que é no momento da concepção, os outros admitem prolongá-lo até às 10 semanas.

Se o referendo resultar num voto maioritário no "Sim", a criminalização começa às 10 semanas e um dia. Certo?

One reply on “No meu corpo mando eu!”

[…] Sintomático (para mim, como é óbvio) é que nesta discussão que decorre em preparação do referendo sobre a despenalização da interrupção voluntária da gravidez, não me atrevo a delegar opinião em ninguém e, dois meses depois de aqui ter escrito umas linhas sobre o assunto pela primeira vez, mantenho o que disse sublinhando exactamente os mesmos pontos. Se alguém estiver interessado no que penso… está aqui. Voto sim, mas com minúsculas, sem alarde. […]

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.