Adufe 5.0

As armas do meu adufe não têm signo nem fronteira
Random Image

As armas do meu Adufe,
não têm signo nem fronteira.

Bem-vindo ao Adufe 5.0


Archive for April, 2006


69

Incontestável: um 69 é o pior que pode acontecer ao Sporting nesta época futebolística que esta semana termina.

Casa Fernando Pessoa – programa de Maio de 2006

Recebido por e-mail (actualizações no blog Mundo Pessoa): 

"MAIO 2006 – Casa Fernando Pessoa (ligação para saber morada)

dia 4 / 18h30 – Voltar a Ler Fernanda de Castro I 

(A poesia e as memórias: apresentam Eduardo Pitta e Miguel Real);

 dia 9 / 18h30 – Antes que venha o Mundial: futebol e literatura I [A ESCRITA DO FUTEBOL]

(O futebol como matéria-prima. Os livros, os escritores e o acto criativo da escrita sobre futebol.

Convidados: Ã?lvaro Magalhães, Ferreira Fernandes, Ivan Nunes, Ricardo Araújo Pereira e Torcato Sepúlveda.);

Read More

Saudades de um "teste"

Já andava com saudades de um oráculo, ou melhor, de um teste. Encontrei um muito simplezinho (só interessa a idade) na Bomba Inteligente que se lamenta da sua sorte. Afinal também entende de baleiês a nossa vizinha poliglota. Lembre-se do Nemo. A mim calhou este na rifa. Tudo bem, desde que tenha ascendente em Leão. Aliás este teste é particularmente original, convida-se a vizinha Bomba a repetir o teste, pode ser que tenha uma surpresa 🙂

You Were a Dog
You are an excellent companion and a loyal friend.
A good protector, you smell trouble before it arrives.

Aviso para o fim-de-semana!

A Conchanata já abriu e está exactamente igual, como convém (bem…o preço subiu um bocadinho)!

Vêm de Itália todos os anos, talvez nas motorizadas que são a paixão de ambos. Param por cá de Abril a Outubro (dependendo um pouco do clima), têm filhos e uma outra riqueza que nos seduz: uma receita antiga, de bisavós que não confiam a ninguém.

Servem os melhores gelados italianos do país e arredores. Falar em corante e conservantes, concentrados e aromas ao pé deles é pura blasfémias e ofensa mortal. Cassatas, conchanatas, cones, copos… Com a possibilidade de levar sabores em regime de take away. Tudo menos o molho de morango, esse não sai das conchas servidas na esplanada. Análises químicas à receita só por via da saliva. E mais não digo que estou a ser pouco egoísta. Clientes não lhes faltam e o bem é escasso. Fiquem bem.

E mais outros…

Outro disparo: "Combustíveis mais caros fazem disparar gastos com viagens"

E ainda outro mais fresquinho: "EUA: PIB dispara 4,8% no primeiro trimestre"

O perigo da interiorização do mal*

Dos jornalistas heróis, da falta deles e da inevitável dependência democrática de actos de heroísmo no mundo contemporâneo? O Miguel não vai em títulos e eu não tenho jeitinho nenhum para baptismos como se pode ver, mas ainda assim recomendo a leitura deste seu ensaio onde visa este e este jornalista (que entretanto acrescentou mais prosa) que são também nossos vizinhos por estas bandas.

Quando perdermos a capacidade do nos inquietarmos e de nos indignarmos teremos perdido tudo, o Miguel como os jornalistas invocados têm dado os seus modestos contributos. Tinha piada porem-se a falar um pouco, cada um com as suas perspectivas.

*O título é claramente panfletário, a "notícia" espero que não. 

O risco do elogio prematuro

O Paulo Gorjão é (mais) cauteloso na reacção às linhas de orientação da reforma da segurança social ontem apresentadas no parlamento. Ontem, aqui, feita a importante ressalva sobre a fórmula e o limiar a ser implementado para algumas das medidas, deixei um "sonoro" aleluia! E não o retiro mesmo que amanhã o governo venha a dar razão aos receios do Paulo quanto à generalidade do plano. Receios esses que estou preparadíssimo para secundar e denunciar justificadamente (aliás até já tenho uns quantos em carteira, nomeadamente no que se referiu quanto às Famílias Monoparentais e às alterações na TSU – lá iremos).

Mas mesmo supondo que o objectivo é essencialmente financeiro, tendo como pretexto fraco a maior equidade, há duas ou três consequências inegáveis e imediatas que se adivinham e que merecem o meu elogio. Vou sublinhar a que me parece mais emblemática e que funciona como uma vitória muito sentida em minha casa. Refiro-me à implementação imediata da medida que leva a considerar toda a carreira contributiva para efeitos de apuramento do valor da reforma.

Sim, irei receber menos se a minha progressão na carreira for ascendente até ao fim, sim o caro trabalhador por conta de outrém que me lê provavelmente irá receber menos com este regime. Será justo? Será esmagadoramente mais justo se aquele nosso amigo, familiar ou conhecido, que trabalha por conta própria e se recusou durante três quatros da sua carreira a contribuir com mais do que o mínimo legal para financiar a segurança social (recebendo oficialmente menos rendimentos do trabalho do que o comum trabalhador por conta de outrém durante a maioria da carreira mas beneficiando dos mesmo direitos do sistema enquanto no activo), agora vier a receber proporcionalmente ao que descontou toda a carreira e não apenas em função dos salários exorbitantes que resolveu começar a declarar quando entrou na última década contributiva. Ou seja, poderá mesmo vir a receber uma reforma inferior à do trabalhador por conta de outrém ao contrário do que acontece ainda hoje por via do enviesamento permitido pela lei.

Eu sinto que terei contribuido um pouco mais para pagar a minha reforma e um pouco menos para pagar a dele que é o que acontece ainda hoje. Isto é um enorme ganho da reforma do sistema. Em bom rigor, acho que sempre deveria ter sido assim e fico genuinamente satisfeito por saber que vai ser implementado para o próximo ano e não algures em meados da próxima década.
E será ainda mais justo porque contribui, julgo que incontestavelmente, para desafogar financeiramente, no imediato e a prazo, o sistema, reduzindo o risco de colapso do mesmo. Situação que seria inquestionavelmente mais injusta do que qualquer uma das comparadas, a existente e a proposta.

Foi este o pretexto maior para o meu aleluia! Falta agora conhecer o resto das contas…

Já agora, alguém se atreve a classificar esta medida como uma medida de direita?

Olhó disparo do dia fresquinho…

Olha outroAltri dispara 7%

Pois é…

O video deste post chegou uma semana depois à RTP1 e hoje ao DN.

O lapso de tempo blogoesfera/media tradicionais mantem-se. 

Ainda sobre a blogoesfera recomendo esta nota do Contra Factos & Argumentos. O diagnóstico parece-me muito avisado. 

Bush: quão mal amado?

Una película molto divertente