O pacto lealmente cumprido

Segue-se um excerto do livro "Os namorados" de Luiz Pacheco que me foi recomendado e que com muito gosto aqui partilho:

"A casta beleza do ventre duma grávida: pousa a mão devagar em cima dessa carne, terra sagrada, e ficas repassado de mistério. Um novelo de carne anda sem nome sem rosto sem destino certo cresce oculto leve livre, mola de incalculável poder, uma vida às cambalhotas lá dentro que vai anunciar-se num grito o primeiro grito. A mão corre amorosamente sobre a pele tensa presa no ventre é uma ameaça e o feto encabrita-se escorrega foge tomado de um súbito pavor. Talvez chore. Mas a mãe, que tudo sabe e de tudo o protege e guarda, não chora, sorri. O orgulho cresce no seu olhar, o pacto lealmente cmprido, a dadiva maior do Amado, o seu sangue (dele, dela) moldado em carne nova transfigurado num corpo livre. Ah, não ser eu a grávida e saber-me deus!"

Dedicado também ao JHJ que promete resumir-se a mil palavras nos próximos tempos.

2 thoughts on “O pacto lealmente cumprido

Comments are closed.