Há muitas formas de ofender a democracia

A propósito da questão que encerrou este post, o Sérgio cita, nos comentários, o Público de hoje, oferecendo-nos a  resposta:

«À beira de abandonar a liderança da Federação do Porto do PS, Francisco Assis tenciona concentrar a sua actividade política no exercício do cargo de vereador e de eurodeputado. "As duas funções são compagináveis", afiança.»

in Público, 12 de Outubro de 2005

Quando os próprios politicos menorizam os cargos de representação política auto-vinculando-se ou desvinculando-se, ou ainda, reinterpretando os seus cargos/compromissos para com os eleitores, como havemos de prezar a democracia ou olhá-los com orgulho? É preciso denunciar e repudiar este tipo de comportamento tão arreigado na política portuguesa.

Francisco Assis nunca deveria ter-se candidatado ao parlamento europeu se fazia tenções de se candidatar à câmara do Porto, ou, em alternativa, tendo sido eleito Eurodeputado, nunca deveria, bem antes de sequer chegara meio do mandato como Eurodeputado, ter sido candidato à câmara do Porto. Qualquer solução perante os factos consumados seria insatisfatória, mas julgo que esta acumulação de funções consegue ser a pior possível.

Em suma: uma vergonha.

3 thoughts on “Há muitas formas de ofender a democracia

  1. M.

    Na minha opinião um cidadão quando é eleito para um lugar deveria cumprir o seu mandato até ao fim, sob pena de no caso de sair a meio não poder voltar a ocupar um outro cargo de eleição ou de nomeação política, durante um determinado período de tempo. Assim como deveriam acabar as acumulações que em alguns casos são vergonhosas.
    E claro, restringir os cargos de nomeação política o máximo possível.

  2. joão melo

    a questão é que hoje em dia os politicos são todos FINANCEIRAMENTE dependentes da politica..é o vil metal a mandar…e a classe politica a afundar-se..quando vemos Santana lopes a primeiro ministro. e eu nem sou do PS

Comments are closed.