Adufe 5.0

As armas do meu adufe não têm signo nem fronteira
Random Image

As armas do meu Adufe,
não têm signo nem fronteira.

Bem-vindo ao Adufe 5.0


Archive for August, 2005


Será do choque tecnológico

Mobiliário ergonómico, material informático de ponta, sala limpa, espaçosa, arejada e luminosa, um contraste absoluto para com outros locais de atendimento ao público ainda bem recentes na memória. Entrei no mundo da segurança social.
De senha na mão lá me sentei à frente da funcionária. Revelou-se prestável quanto baste, simpática mesmo, talvez um pouco paternalista mas desculpável pela diferença de idades. Só me faziam confusão aquelas caretas, um esgar repetitivo montado na face sempre que os olhos se viravam para o monitor do computador, ou para o teclado: seria do choque tecnológico ou apenas um problema de dioptrias?

:-P

Olha um blogue novo para desenjoar…

Além das Renas e Veados e do NunoP, mais alguém anda vendo o Max qualquer coisa. Parabéns.

"Descoberta" televisiva das férias

A televisão contra-ataca o blogue.

Muito se fala das donas de casa desesperadas, dos sete palmos de terra, dos CSI nos seus diversos aromas, do velhinho seinfeld e também (ainda que menos, parece-me) dos homens do presidente, de 24 ou do clássico ER-Serviço de Urgência.
Não há por aí ninguém que seja fã de “A EDUCAÇÃO DE MAX BICKFORD ” que passa todos os dias de semana n’a dois? Além do excelente Richard Dreyfuss tem um elenco globalmente muito bom. Quanto à trama tem como cenário uma pequena e tradicional cidade da Nova Inglaterra na qual está instalada uma Universidade progressiva (onde predominam os professores baby boomers com currículo activista nos idos anos 60). Uma universidade para mulheres com mais pergaminhos no país, do que a cidade em que se insere, acrescente-se. Dito isto não se assustem os que adivinham já na série uma desculpa piedosa para veicular acriticamente uma maneira de ver o mundo à moda liberal. O enquadramento da história, das personagens nos dilemas actuais da sociedade americana e ocidental e as sucessivas irrupções de contradições e conflitos morais fazem boa parte da série, devidamente complementados pelo humor/ironia por vezes desarmante da figura central (Dreyfuss), assim como pelo drama familiar de um pai viúvo com dois filhos jovens. Se calhar exagero um pouco, mas é tão raro ver um personagem de uma série americana rir-se de si próprio ou a disparar um pedaço de ironia (honrosa excepção para as donas de casa e para os simpsons que levam o troféu neste campo) que acaba por ser sempre um ponto a favor.
Enfim uma mistura de vários conceitos com provas dadas de sucesso na televisão que funcionam benzinho. Um bom pretexto para fechar o dia com 50 minutos de televisão num ritmo menos frenético do que é habitual. Há quem nos EUA veja nisso motivo para a adjectivar de “pretty dull” o que talvez explique não ter sobrevivido à segunda época mas ao mesmo tempo, aprofundando a pesquisa de opiniões sobre a série, tem de haver mais do que isso pois sucedem-se críticas apaixonadamente pró e contra. Um outro exemplo aqui:

“Two Academy award winning actors (three, if you count the appearance of Peter O’Toole), intelligent, well-written scripts, great insight into University politics, and a wonderfully subtle sense of humor. What the heck ever made me think that a show with all that could succeed on the same network that brought us drivel like “Touched By An Angel”, “Survivor”, and thinks Dan Rather is a good replacement for Walter Cronkite? “

Ou ainda esta centrada numa avaliação moral.
Lá por casa foi descoberta das férias e tem sido pretexto (entre outros) para deixar o blogue ao abandono, por exemplo.
Será que isto da blogoesfera está “pretty dull”? Para mim tem estado e por isso mais vale não forçar a coisa.

Nota: No Renas e Veados também já se escreveu algo recentemente sobre a série.

P.S.: Problemas na caixa de correio têm-me impedido de satisfazer os pedidos de envio da tese de mestrado que tenho em carteira. Assim que resolver o problema chegarão ao destino. Obrigado pelo interesse.

Quase impossível

Ganhar hoje à Udinese, por causa do fado.

Adenda: “Unfancied Udinese prepare to take Sporting scalp

Domingo à Tarde

Disciplinando prazeres potenciais regresso aos livros. Uns atrás do outros, por vezes lado a lado, sem parentesco aparente. Depois d’A Noite do Oráculo de Paul Auster (e antes de O Livro das Ilusões do mesmo autor), o livro em competição com o blogue neste momento é “Domingo à Tarde” de Fernando Namora, na forma da 17ª edição das Publicações Europa-América.

Emigrando para a biosfera

Temos surto migratório confirmado entre os preferidos do Adufe:
Olha outro que se foi embora!…
Para a estatística ficam os blogues, cada vez mais anónimos.
Se eu soubesse tinha comprado um adufe dos grandes quando passei ao largo de Monsanto. Bem vistas as coisas está a ficar um eco ensurdecedor por aqui, este pandeiro pequeno basta, afinal o melhor das férias foi mesmo o silêncio entre o crepitar da madeira.

Ziva

Havendo para a troca mais livros e o tal programa de culinária que se avizinha , a “malta” não vai poder reclamar muito.
“Foi” um prazer.

Quando terminam as férias?

O fumo no horizonte é o mesmo…

Obrigado pelos comentários que aqui deixaram nos últimos dias. A resposta aos e-mails seguirá o mesmo ritmo dos posts, em rega gota-a-gota.

Tese em processo de divulgação

Uma classificação do país com base em variáveis económicas, demográficas e sociais no limiar do século XXI

Quase inócua politicamente nas ilações que retirei (no corpo da tese); talvez não tão inócua no uso que se poderá fazer dela.
365 variáveis e muitos meses depois…

RESUMO

Pretendeu-se com a presente dissertação explorar informação estatística, de acesso generalizado, que permitisse uma classificação de todo o país em regiões intrinsecamente homogéneas em termos económicos, demográficos e sociais, concluindo-se com a respectiva caracterização que se espera útil para o desenvolvimento de políticas económicas e de foro empresarial.
O estudo incidiu sobre informação com detalhe concelhio, repartida por catorze temas e tomando por referência temporal o ano do último recenseamento populacional – 2001.
O vasto conjunto de dados coligidos foi sujeito a procedimentos de análise descritiva, crítica qualitativa e selecção, tendo-se desenvolvido um esforço posterior de sintetização da informação seleccionada, procedendo à definição, em cada tema, de agrupamentos de dados correlacionados. O objectivo de redução de dimensionalidade foi alcançado recorrendo à Análise em Factores Comuns e Específicos utilizando como método de estimação a Análise em Componentes Principais.

Portugal.JPG

Os dados finais foram submetidos a métodos de classificação que se enquadraram no campo da Análise de Clusters. Decorrido o processo de teste e escolha entre algumas das técnicas disponíveis, reteve-se uma classificação do país em doze clusters obtida através do critério de Ward. Da classificação resultou a caracterização de um país repleto de variantes face à clássica percepção dualista de interior versus litoral ainda que se denote um assinalável fenómeno de contiguidade geográfica na maioria dos clusters reconhecidos.
Destacam-se diferenças claras entre os clusters envolventes dos centros das duas grandes áreas metropolitanas de país, bem como, distintos perfis demográficos e de desenvolvimento económico entre os diversos clusters predominantemente interiores. Surgiram também evidentes distinções entre os dois arquipélagos atlânticos e entre estes e o continente.
As indicações que se extraem deste trabalho apontam para uma necessidade de se encarar, de forma consciente, a existência de diferenças regionais muito expressivas que vão além das tradicionais visões dicotómicas ou das centradas na divisão administrativa do país.

Palavras Chaves: Análise de Clusters; Análise em Factores Comuns e Específicos; Análise em Componentes Principais, Classificação Económica, Demográfica e Social; Concelhos; Portugal.

Dissertação de mestrado defendida com sucesso no ISEGI/UNL há menos de um mês. Rui Manuel Cerdeira Branco, Mestrado em: Estatística e Gestão de Informação
Se estiver interessado em saber detalhes contacte fogueiralusa[arroba]yahoo.com
Inicialmente publicado em 16 de Maio de 2005

Intervalo

Duas semanas longe do trabalho e do blogue.
Fiquem bem.