Continuando o Estád(i)o de Bola no blogue

Sigo para a minha despedida de Alvalade, época 2004/05, com paragem pela Igreja de São João na Praça de Londres, não para rezar mas para mostrar uma testemunha de trapo verde branco que há-de por lá andar esperando pelo golo mais ou menos boçal (imenso) que nos ofereçam.
Para o que der e vier, “quer se possa ou não possa”, há-de estar todo o estádio a cantar.

Para quem não é de bola o mistério adensa-se… Mas não se assustem que não há por lá bispos a comandar manifestações, nem expectativas de fumo branco, apenas de uma curva belíssima.

Adenda (10/052005 – 12h00):
Ontem em Alvalade a homenagem a Jorge Perestrelo foi impressionante.
Alguns minutos de palmas (com todo o estádio a aplaudir de pé) enquanto mal se ouvia o Fernando Correia descrevendo sucintamente o colega e amigo. Seguiram-se momentos de absoluto silêncio para ouvir o som do último golo, culminando com explosão de alegria às palavras “eu te amo Sporting”.
Muitos arrepios num ambiente electrizante.
Sábado há mais e que ganhe o melhor porque o espectáculo continua.

09-05-2005
Eu te amo, Sporting!

Pouco tempo antes das equipas do Sporting e do Vitória de Guimarães subirem ao relvado, o Clube de Alvalade homenageou Jorge Perestrelo. O jornalista da TSF relatou o encontro entre o Alkmaar e o Sporting, a contar para a Taça UEFA, acabando por falecer no dia seguinte, devido a problemas cardíacos.

Nos vídeo screens do Estádio foi passada uma imagem de Jorge Perestrelo, ao mesmo tempo que foi lido um texto de Fernando Correia, companheiro da TSF. A terminar a homenagem, o som do último golo relato por Jorge Perestrelo foi ouvido na aparelhagem sonora do Estádio, acompanhado por uma enorme salva de palmas dos adeptos verde e brancos.

O texto lido antes do jogo com o Vitória foi o seguinte: “No dia 5 de Maio de 2005, Jorge Perestrelo fez o seu último relato de futebol. Foi ao serviço da sua rádio – a TSF – em Alkmaar, onde o Sporting conquistou o direito de estar presente na final da Taça UEFA e vibrou, de forma única, com o golo que garantiu essa final. Regressou a Lisboa no dia seguinte, para nos deixar para sempre, quase de imediato, porque o seu coração não resistiu à entrega, às emoções, à vida de um jornalista em pleno esforço, de um relator desportivo que levava o seu trabalho a extremos que alguns consideravam exagerados, mas que traduziam um estilo peculiar e um raro sentido de criatividade. A sua memória ficará para sempre em nós, ligada à rádio, ao futebol, aos jogadores profissionais, aos técnicos, aos dirigentes, aos árbitros e, sobretudo, à equipa do Sporting, protagonista do seu último relato e do seu último grito de amorâ€?.

O corpo de Jorge Perestrelo foi autopsiado ontem, segunda-feira, ficando depois em câmara ardente na Igreja de São João de Deus. O funeral realiza-se hoje, às 10 horas, daquela igreja para o cemitério dos Olivais, onde o corpo será cremado, em cumprimento de uma sua vontade expressa.
Aos seus familiares, o jornal Sporting e o site do Sporting apresentam a expressão do seu mais sentido pesar.

Texto: Fernando Correia
Fotos: José Cruz

http://www.sporting.pt/Info/Futebol/Noticias/noticiasfutebol_futhomenagemperestrelo_090505_20742.asp

5 thoughts on “Continuando o Estád(i)o de Bola no blogue

  1. Leonel Vicente

    Sinceramente, já não sei se vale a pena continuar a fazer “contas de cabeça”…

    E, depois, não tenho a certeza se será preferível chegar ao jogo de Sábado à frente do campeonato (com a tentação de jogar para o empate).

    Também hei-de passar pela Praça de Londres hoje. E não daqui a muito tempo…

  2. afonso salgueiro

    “Ripa na repaqueca” ou seja chuta na bola. Aquilo que cada um de nós vai fazendo na vida. Empurrando a bola pr’a frente. Poucos sem jogo sujo (como Perestrelo, que nunca se vendeu à publicidade) muitos sempre prontos a atirar pedras, escondidos atrás dum écran de computador, escudados na própria mediocridade. Um abraço, Jorge, onde quer que estejas continua a “ripar na repaqueca”. Um conselho Rui, embora deteste a censura há coisas medíocres que nem merecem ser citadas.

  3. Leonel Vicente

    ‘Que ganhe o melhor’ parece-me algo parcial… 😉

    (e, se como dizem os especialistas, costuma ganhar quem parece estar menos bem, ainda há uma esperança…).

    Então, que ganhe o que jogar melhor no Sábado!… (não me lembro, em toda a minha vida, de um jogo assim, em que, quem ganhar, será Campeão!)

  4. Rui MCB

    Essas leis dos comentadores do tipo “quem entra no canclave como papa sai de lá como bispo” já não são o que eram 🙂

    E quanto ao vencedor ser campeão há uma situação em que isso não é seguro, se não estou em erro: uma vitória do benfica pela margem mínima. Nesse caso o campeão fica por conhecer na última jornada com três candidatos potencialmente ainda na disputa…

Comments are closed.