Adufe 5.0

As armas do meu adufe não têm signo nem fronteira
Random Image

As armas do meu Adufe,
não têm signo nem fronteira.

Bem-vindo ao Adufe 5.0


Archive for December, 2004


Esta fotografia de Veneza tem um conto lá dentro

veneza_aldraba.jpg
Como já alguém escreveu: que 2005 exceda as vossas expectativas.

E esta hem?

(…) Mas eu sempre me impressiono com o poder da palavra escrita. Escrever, para mim, é o que mais se aproxima de um ato de fé. Coloque seus sonhos, os mais loucos, os mais atrevidos, os mais coloridos, em uma folha branca de papel. Deixe a lista acessível. Pegue nela pelo menos uma vez por semana. Mantenha contato com a sua fantasia. Ela pode virar realidade.

Se quiser, ouse, e deixe aqui na caixa de comentários a sua lista “Abre-te Sésamo”.
in Diário de Lisboa

Coincidências "demolidoras"

Especialmente dedicado ao João Miranda e inspirado neste post fresquinho do Blasfémias, particularmente no seu vaticínio: “(…)Hoje toda a gente acha que os recursos devem ser aplicados na prevenção dos efeitos de terramotos. Daqui a 6 meses todos estarão preocupados com os efeitos dos incêndios e daqui a 1 ano todos estarão a defender uma grande aposta no combate à SIDA.”, dedico estes outros que escrevi neste mesmo blogue há exactamente um ano intitulados:

Em busca da carta sismológica de Lisboa (será este o nome?)
Mapa de risco sísmico em Lisboa 2ª parte (revisto)

Ai a memória, a memória…
Lá se vai a teoria da gestão do risco liberal?

Sugestões de Leitura

Segui a dica do Universos Desfeitos e acrescento à sua dica este outro texto do Alexandre Monteiro.
Recomenda-se a quem tem um pingo de consciência e reforça-se a recomendação a quem tem um mínimo de responsabilidade e autoridade no governo deste país.
Fala-se de sismos e de organização, entre outros.

Silva, Vicente Jorge

No Causa Nossa gostei de ler o texto de onde retiro este excerto:

(…) É certo que teria preferido que Serrão se tivesse controlado mais, que não tivesse descido ao nível de tratar por tu e pelo diminutivo o seu adversário. Mas como é possível, em nome da hipocrisia do «politicamente correcto», negar a alguém o direito de, pelo menos uma vez, exceder-se e perder literalmente a cabeça quando é confrontado com um troglodita que parece saído das grutas pré-históricas e só sabe vociferar grunhidos simiescos para discutir com os humanos? Posso discordar da forma como Serrão reagiu, mas não discuto o fundo. De resto, já aqui escrevi que para responder a um malcriado só há uma forma comprovadamente eficaz — é mostrar que, apesar da nossa boa-educação, somos capazes de ser ainda mais malcriados do que ele. (…)
E quanto ao resto, creio bem que, depois do que aconteceu, Ramos e os seus colegas de má-criação militante, além do inefável presidente do parlamento madeirense, não deixarão de extrair as devidas consequências do caso. Se souberem que o insulto não fica impune e implica um direito de retaliação, talvez se cuidem, futuramente, nos modos e na linguagem que se devem observar num debate parlamentar.

PIB per diem de fim de ano (act.)

Observando, superficialmente, alguns amigos que laboram na área dos serviços e que invariavelmente fazem serão nos últimos dias de cada ano, fico desconfiado que nesta época de feriados, tolerâncias de ponto e festejos há recordes diários de produtividade que se ultrapassam.
Que à loucura da especialização do exercício suceda o caos! Nem que seja só pelo tempo de um saltar de rolha.
Brindemos à circularidade linear dispensando as trágicas ironias globalizantes dos últimos 26 de Dezembro.
Fiquem bem.

P.S.: Há pedidos que vão ficar por atender. Só em 2005…

Retorta V3

A conjuntura continua a não perdoar e o blogue vai sofrendo com a ausência.
Chega o tempo para um anúncio:

Neste final de 2004 e após muitos tempos mortos, a Retorta deixa o
serviço Typepad para se alojar num local próprio dentro da
Retorta.net. Todo o conteúdo colocado entre Junho de 2003 e esta data
foi preservado e importado para a versão 3 (a primeira versão da
Retorta fica de fora por o seu conteúdo não ter qualquer relevância).

Na altura em que faz 3 anos a Retorta V3 inicia o seu caminho.

http://www.retorta.net/blog

O endereço do typepad desaparecerá em breve.

Os albuns de fotografia vão desaparecer na sua forma actual,
reaparecerão de uma forma gradual noutra zona da retorta.net.

Por esse motivo, caso seja do vosso interesse pedia para modificarem
os links para o blog Retorta.

Muito obrigado


Mário Pires

Perguntas que nunca lerá na revista Maria

Há mais de cinco dias que não tomo um jornal, estarei grávido?

A verdade é que não leio, aquele ler de pegar no fim e ir passeando até ao início; nem com as mãos*, nem com os olhos**!
… Mas os enjoos matinais são os mesmos de sempre, por isso…

Como eu não sou poeta é melhor usar uns asteriscos para explicar:
* “Ler com as mãos” pode ser comprar um jornal e lê-lo, estilo clássico.
** “Ler com os olhos” é rapinar as notícias oferecidas na internet e lê-las.

Adenda: com os blogues inventámos uma outra forma de ler jornais, já me esquecia. Uma das que vou praticando enquanto escrevo estas linhas. Falta-me é a poesia e o sentido para lhe chamar nomes. Alguém se oferece?

Ausência

Comentário semi-privado
Às vezes a ausência do blogue é proporcional ao contributo para o Produto Interno Produto, outras vezes não.
Espero que o dia de hoje tenha estado entre os primeiros.
É a conjuntura!

Fogo, finalmente

Depois de alguns problemas técnicos julgo que já temos Fogo no post anterior.
Quem aqui acede pelo Firefox provavelmente não teve problemas em ver a imagem…