Adufe 5.0

As armas do meu adufe não têm signo nem fronteira
Random Image

As armas do meu Adufe,
não têm signo nem fronteira.

Bem-vindo ao Adufe 5.0


Archive for August, 2004


Em busca do marmelo…

Era assim na primavera. Como estará agora?
Se tudo correr bem em Setembro trago-vos a marmelada!

marmeleiro.jpg

Eu vim de longe, de muito longe…

Eu vim de longe, de muito longe, o que eu andei para aqui chegar...Esta história dos pactos de regime é tão gira.
Andamos para aqui a discutir liberalismos, esquerdismos, conservadorismos, teorias e exemplos práticos de além mar e depois chegam uns tipos encartados que descaradamente fazem pactos e atiram-nos à cara que as nossas discussões são boa música para pôr um boi a dormir.

Mas porque é que será que cada vez há menos pessoas a participar na democracia? A votar e a agitar bandeirinhas?

Há de facto pelo menos três países neste rectângulo anguloso e um deles anda cada vez mais esquizofrénico, a falar para si próprio, em código, com ameaças veladas, escarrando por todos os poros. Outro anda com os copos ou com os drunfos e o terceiro belisca-se a ver se acorda.

Não é uma porcaria esta herança judaico-cristã de esconder os pecados e só os revelar no confessionário? Houvesse ao menos fé e uma projecção “ao alto” de um punhado de audazes em cada uma das partes desta trindade-nação.

Como é difícil ser decente, minha gente.
Boas férias que eu vou ver se me educo um pouco mais.
Fiquem bem!

(Em estéreo na GLQL.)

Os parvos no regime

E agora amigos?
Começam a chegar os pedacitos, os sound bites mais ou menos alinhavados acompanhados pelas devidas interpretações. Uns pró, outros contra.

Santos na Procuradoria; pecadores no resto do mundo?
Pecadores na Procuradoria; santos no resto do mundo?
São todos santos?
São todos pecadores?

Dava jeito um escadote para ir lá acima e olhar para tudo isto com a devida perspectiva.
Para já certo, certo, é o texto de José António Barreiros hoje no DN, citado pelo José da GLQL e que se publica em anexo.

«A escolha de um chefe de gabinete socialista para a direcção da PJ não podia ser mais simbolicamente significativa.»
José António Barreiros
Read More

Tabu? Qual tabu?

A ler A LEGALIZAÇÃO DA PROSTITUIÇÃO

A minha opinião? Legalize-se e regule-se, já! Deixemos a moral para quem é de “moral”. Só vejo vantagens: melhores garantias de saúde pública, melhor defesa da dignidade humana (com o colateral combate ao tráfico de pessoas), enquadramento económico da actividade (cobrança de impostos e atribuição de direitos ao nível da segurança social), melhor acesso ao sistema judicial, etc, etc, etc.
Uma questão bem menos problemática do que a da legalização da produção e distribuição das drogas e, ainda assim, igualmente proscrita das vontades de mudança deste mundo.

Piropo arrevesado

Hoje apetece-me dizer bem do DNA (suplemento de sexta-feira do Diário de Notícias).
Pronto já disse.

Meteo 13 a 15 de Agosto de 2004

Aos patrícios que iniciam férias caseiras nos próximos dias trago boas notícias: bom tempo para começar a função.

O blo.gs está fraquinho

O serviço do blo.gs está avariadito hoje, não é verdade? Tanto blogue a ser actualizado e nada de notícias do blo.gs.
Prepara as férias, está visto.
Já vos disse que daqui a 7 horas úteis de trabalho conto estar oficialmente de férias? Três semaninhas que se esperam… Não se espera nada. Não é medo de agoiro é mesmo conhecimento de causa: por vezes quanto mais se anunciam os objectivos menos se faz. Pelo menos no campo pessoal. Porque será?
E o que é que vocês têm a ver com isso?
Isto dos blogues, realmente!

Ah! Eu hoje sou iraquiano.

As contratações do defeso

Lembram-se do Cruzes Canhoto e do célebre J?
Esqueçam! Ou melhor passem pelo BDE II e terão surpresas como esta:

Esporadicamente, a meio do noticiário televisivo, surge-me uma figura magra de testa alta e com penteado repuxado atrás como se tivesse sido lambido por uma vaca que, com muitos trejeitos para a câmara, tenta vender a sua mercadoria. E eu… Eu fico indignadíssimo por ainda usarem o Camacho Costa para promover os Malucos do Riso.

De Jorge Palinhos

DÉFICE DA BALANÇA COMERCIAL AUMENTOU 25,8% ATÉ MAIO (corrigido)

Nos primeiros cinco meses de 2004, as variações homólogas registadas nas saídas (+3,5%) e nas entradas
(+10,0%) determinaram um aumento do défice da balança comercial de 25,8%.

NOTA PRÉVIA
(…) Refira-se ainda que devido a terem sido detectados problemas ao nível da informação anteriormente disponibilizada referente ao fluxo das
expedições (Comércio Intracomunitário), foram introduzidas as devidas correcções relativamente aos dois anos em observação.

in INE

*********

Note-se que esta revisão é mais importante em volume do que em termos relativos; a taxa de cobertura da balança comercial de 2003 (Janeiro a Maio) é revista em baixa (de 70,4% passa para 70,2%) como se pode ver pela comparação destes com estes dados. É possível que haja algum impacto nos dados do PIB a divulgar em Setembro. Veremos. Entretanto no próximo dia 17 temos os resultados definitivos do comércio internacional de 2003.

O dado mais significativo é, sem dúvida, a variação homóloga da balança comercial cujo défice até Maio aumenta mais de 25% contra o aumento de cerca de 16% calculado até Abril.
Tanto as exportações como as importações apresentam mais dinamismo, contudo, estas últimas têm crescido com maior intensidade (particularmente Combustíveis, Máquinas e Aparelhos, Veículos e Outros Materias de Transporte, Calçado e produtos Alimentares), daí o aumento do défice.
Isto é bom? É mau? It’s hard to say…

Recicla!

Uma minúscula notícia do Jornal de Negócios de hoje recorda-me um célebre polemista que passou pelo Adufe (ver aqui).

«Revista “Recicla” lançada pela Sociedade Ponto Verde [SPV]

A SPV lançou a revista “Recicla”, uma revista de periodicidade trimestral, que aborda temas relacionados com a separação e reciclagem de embalagens usadas. Editada pela XMP – Gestão e Meios de Comunicação, o preço de capa da publicação, editada por Henrique Agostinho, director de comunicação da SPV, é de um euro.»

Boa sorte com o projecto, caro Henrique, e já agora, não se esqueçam de uma versão digital. Por todos os motívos! Mais que não seja uma colecção de ficheiros PDF, certo?