Ainda o Duelo (act.)

Confesso ter alguma experiência e simpatia por jumentos (sublinho que restrinjo a simpatia aos de quatro patas) pelo que acedo em corresponder ao apelo do Mata-Mouros e apresento-lhe o meio de transporte requisitado. O BurroBoa dentição, pêlo bem cuidado e personalidade quanto baste, um belo exemplar, seguramente capaz de alombar com os 110 kg conforme requisitado.

Naturalmente isento-me de qualquer responsabilidade relativa a expensas de viagem ou seguro de responsabilidade civil.
Façam o que fizerem não matem o Burro! Lembrem-se que estes (os de quatro patas) estão em vias de se tornarem uma espécie (ou sub-espécie ou lá o que é) em extinção. Não fossem os ciganos e mais alguma interioridade teimosa que vai resistindo e ficávamos sem burros neste jardim. Registo com moderado apreço que são agora requisitados para transportar mediadores de paz em conflitos entre doutos contendores. Desde João Semana que não teria tão distinta incumbência atrevo-me a alvitrar…

P.S.: Reparo agora que o Burro não é branco conforme desejado. Um lençol resolverá o problema atribuindo alguma dignidade adicional ao veículo e ao veiculado.

3 thoughts on “Ainda o Duelo (act.)

  1. aurora

    Na Ilha Graciosa (Açores) há ma enorme quantidade e variedade de burros (de 4 patas).Infelizmente um dos motivos pelos quais estão a desaparecer – para além da função no mundo rural que também se extingue – é serem alimento para leões de circo, um hábito deplorável.

  2. aurora

    Circo com animais ferozes já não faz sentido. Muito menos com sacrifício dos burros. É como as touradas. Mas isso já é oputra conversa…

Comments are closed.