Faço minhas as suas palavras I

(…)
Para que a cultura que se interiorizou na sociedade portuguesa – expressa na admiração que o justo nutre pelo pecador – não continue a encontrar conforto nas boas ou más intenções de um governo, é preciso que quem tem o poder e a responsabilidade de decisão faça uma escolha. Que opte entre a convicção de Marques Mendes e a reserva de José Luís Arnaut ao levantamento do sigilo bancário.

Ambos ministros de Durão Barroso, a quem se deve exigir uma resposta. Clara e inequívoca.

de Raul Vaz in Diário Económico