Extra-queijo

Abruptamente surge nova referência permanente neste blog. Tenho tentado ser criterioso, usar como único e exclusivo critério para promover [que raio de palavra vou pôr aqui? Companheiros? camaradas? colegas?] vizinhos desta esfera aqueles cujo conteúdo me toca de alguma forma que me parece enriquecedora. O Abrupto é por demais conhecido e é já uma referência, mas isso não me deverá impedir de sublinhar “a simples moralidade de pessoas comuns”. À parte o discussão concreta que levou o Abrupto a esta frase, generalizo perguntando se é por aqui, por nos tentarmos centrar em algo tão difuso como a “(…) simples moralidade das pessoas comuns (…)“, que nos devemos orientar nesta vida? Especialmente nos momentos de descrença?
Esta proposta é seguramente algo menos concreta que a simples lei da procura e da oferta ou que qualquer outra construção ideológica ou religiosa mais ou menos batida, mas se bem percebo é um mínimo denominador comum que resolveria muita da estupidez e sofrimento por que passamos enquanto cá andamos. A subjectividade do conceito pode-se reduzir elegendo valores a cultivar que no meu subjectivo entendimento a enformam como a decência, a honestidade, a compreensão e o respeito pelos outros e por nós próprios.

Se tentássemos sempre ter isto em mente tudo seria melhor. Seja qual for o nosso ofício ou mester…
Eu creio que tudo pode ser melhor. Pela parte que me toca vou tentando andar por este caminho com a ajuda dos meus amigos e com um adufe onde dar umas batucadas sempre por perto!
Bem hajam!